quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

A REPRIMIDA VIDA DOS CUBANOS

A vida em Cuba: falta de produtos básicos, salários miseráveis, casas apodrecendo — e vigilância
constante sobre as pessoas

Em Havana, os cidadãos cubanos são observados por câmeras a todo
momento para que não façam nada que possa melhorar suas condições de
vida. Boa parte das casas está em decomposição, caindo aos pedaços
(Foto: Mises.org.br)




 RELATOS DE UMA VIAGEM A CUBA
Artigo de Paulo Moura*
Em 1924, Trotsky e Stalin divergiram sobre os destinos da Revolução Russa. Trotsky defendia a necessidade de implantar o socialismo em todo o mundo. Stalin
defendia a viabilidade do socialismo num só país.
A Rússia vivia as dificuldades dos primeiros anos da revolução. Para estimular a economia, Lenin defendeu “dar um passo atrás para, depois, dar dois passos à
frente”. A Nova Política Econômica (NEP) restabeleceu a livre inciativa e a pequena propriedade para estimular o crescimento da economia para, depois, “avançar”
com a estatização total.
Com o fim da URSS, que importava açúcar a preços superiores aos de mercado (hoje, Cuba importa açúcar), os cubanos enfrentaram tempos difíceis. O regime
rendeu-se à “NEP” de forma envergonhada. Por isso, a escassez reina. Charutos, rum e turismo é o que Cuba vende. E agora, acabou-se o petróleo venezuelano
grátis. A esperança vem dos EUA.
O Estado emprega 7 milhões de “oficiales” num país de 11 milhões de habitantes. Mesmo nas empresas mistas (51% do governo e 49% do investidor), os
funcionários são públicos. O salário, em pesos, dura uma semana para compras nos armazéns do Estado.
Um cubano precisa de vinte e cinco pesos para comprar um CUC (peso conversível equivalente ao Euro). Os trabalhadores do tabaco recebem parte do salário em
folhas de fumo. Fabricam charutos piratas para vender aos turistas alegando serem produto de cooperativas. Agricultores e pescadores desviam produtos para
vender em CUCs no mercado paralelo.
Uma obra exequível em um ano de trabalho consome até cinco anos sob essas condições. Todos fazem corpo mole e precisam sair às ruas a partir das 14h para
trabalhos autônomos pagos em CUCs, caso contrário falta o que comer. Quem não consegue passa fome e pede comida, roupas e sabonete aos turistas.
Os serviços aos turistas são os mais rentáveis. Ao sair dos hotéis, você é abordado por pessoas que indicam restaurantes. Esse serviço é pago em comida pelos
donos dos “paladares” (restaurantes familiares, antes clandestinos e agora legalizados). O nome tem origem numa novela, na qual o personagem de Regina Duarte
tinha um restaurante chamado “Paladar”.
Os táxis são “ótimo” negócio. Há táxis “rentados” ao Estado e táxis privados. Quem arrenda o carro paga vinte e sete CUCs por dia ao governo. Mas o governo
proíbe o taxista privado de fazer ponto. Se for flagrado (há câmeras por toda Havana) “parqueado” em frente aos hotéis, o taxista paga quinhentos CUCs de multa.
“Esses caras dão um passo adiante e dois para trás”, ironizou nosso taxista, lembrando Lenin.
O governo cobra dez por cento ao ano de imposto desses capitalistas. Não há taxímetro ou caixa registradora nos restaurantes, pequenos mercados, bancas de
artesanato ou salões de beleza. O leão socialista define uma média do que imagina ser o faturamento do pagador de impostos. Se for “subdeclarante”, o
empreendedor cubano conhecerá suas garras. Todos pagam um pouco mais do que a média oficial.
Não se veem cubanos obesos em Havana. O povo está acostumado a comer pouco e a passar muitas horas sem comer. Pagamos almoço a um taxista. Arroz, feijão,
salada; peixe, frango ou porco e um refrigerante. Carne de vaca não há. Um legítimo PF por quinze CUCs. “Com essa refeição posso passar três dias sem almoçar”,
disse ele.
Nos resorts de Varadero há cubanos “bem nutridos”. Os funcionários fazem as refeições nos hotéis. Maquiagem, roupas e calçados de melhor qualidade doados
pelos turistas fazem a diferença visual entre cubanos de Havana e Varadero. Cubanos de Havana não podem se mudar para Varadero para comer e vestir melhor. O
governo não deixa. Somente moradores próximos podem trabalhar nos hotéis.
O povo cubano vive amontoado em casas em decomposição. Três gerações sob o mesmo teto. Caminhões pipa abastecem suas caixas d’água. Água também é
produto escasso.
Os táxis são inacessíveis para quem não ganha em CUCs. Os cubanos vivem na rua e nas praças e só vão para casa dormir. Caminham muito pela cidade pois o
transporte coletivo é precário, escasso e lotado. Em Havana, são ônibus velhos. Fora de Havana, o transporte faz-se em caçambas de caminhões com bancos de
madeira e cobertos com lona.
*Paulo Moura, professor universitário, é cientista social, consultor de comunicação e marketing político em campanhas eleitorais e analista político e de
pesquisas de opinião e de mercado

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

JESUS E OS SINAIS DE SUA VINDA..

Mateus 24.4-8,12,14.

                                       

4 - E Jesus, respondendo, disse-lhes: Acautelai-vos, que ninguém vos engane,
5 - porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos.
6 - E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.
7 - Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares.
8 - Mas todas essas coisas são o princípio das dores.
12 - E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos se esfriará.
14 - E este evangelho do Reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as gentes, e então virá o fim.


PONTO DE CONTATO

O que nos reserva o futuro? Para onde estamos indo? Quando chegaremos ao fim dessa jornada? Espera-nos a paz ou a guerra, a prosperidade ou a adversidade? Tais são as perguntas que ressoam em nossa mente. Os homens não sabem para que lado deverão voltar-se. As nações estão perplexas. Um egoísmo coletivo parece ter-se apossado da raça humana inteira. Um espírito de ambição e concupiscência domina os corações dos homens. Milhares de pessoas ansiosas e perplexas indagam com insistência: “O que acontecerá em seguida?”.
Só a Palavra de Deus tem a resposta. Deus conhece o fim desde o princípio. O Senhor escreveu a história com antecedência, e chamou isso de profecia.
Convém que atentemos aos sinais do fim e nos preparemos: “Perto está o Senhor” (Fp 4.5).



Em toda a Bíblia, não há exposição mais clara sobre o tempo do fim do que o vigésimo quarto capítulo do Evangelho de Mateus. Trata-se da história contada pelo próprio Cristo acerca dos dias futuros. Não estamos nas trevas da ignorância sobre isso. O futuro foi desvendado, e sabemos algo do que acontecerá. Jesus nos alertou através de vários sinais.



                                                              

Introdução

Jesus, em seu sermão profético, deixou registrado os principais eventos futuros que se descortinarão sobre a humanidade. Ele enfatizou a necessidade da vigilância dos salvos, à espera do arrebatamento da Igreja, à vinda de Jesus para os seus, ao dizer: “Por isso, estai vós apercebidos também; porque o Filho do homem há de vir à hora em que não penseis” (Mt 24.44).
I. SINAIS DA VINDA DE JESUS NA ESFERA RELIGIOSA

1. Os falsos cristos e falsos profetas (vv.4,5,11). Jesus alertou para o surgimento de pessoas, em seu nome, “dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos” (v.5). É a velha tática do Diabo, enganando a humanidade (2 Jo 1.7; 2 Co 11.14). Os falsos profetas estão por aí, e já previram a volta de Jesus para 1993, 1997, 1998, 1999, e 2000. Ele advertiu que o dia e a hora de sua vinda ninguém sabe (ler Mt 24.36,42,44,50; 25.13). É melhor pregar que Jesus pode vir hoje.

2. Falsos ministros do evangelho. Jesus previu que certos ministros do evangelho agirão de modo errôneo, espancando a igreja, com sua sede de poder, de vícios e maldades, pensando que o Senhor vai tardar (vide Lc 12.45). Nos últimos anos, tem sido grande o número de escândalos provocados por ministros, “espancando” a consciência dos crentes mais fracos.

3. A globalização do evangelho (v.14). Enquanto os homens desenvolvem a globalização econômica, científica e tecnológica, a Igreja do Senhor vai cumprir sua missão, nos últimos tempos, globalizando a mensagem do evangelho, através de todos os meios disponíveis, seja rádio, jornal, televisão, satélite, fibra ótica, telefone, telemática, raios laser, Internet, etc, sem deixar de usar os legítimos e eficazes meios tradicionais de evangelização, como culto ao ar-livre, evangelismo pessoal, em massa, de grupos, nos lares, jornais, livros, revistas, folhetos, etc. Paulo mostra que é necessário usar todos os meios para salvar alguns (1 Co 9.22).

4. O Estado de Israel (Lc 21.23,24). Israel foi disperso pelas nações, por ter rejeitado o Messias. Mas Jesus previu seu retorno, para se tornar uma nação politicamente organizada (Jr 31.17; Ez 11.17; 36.24; 37.21). Em 14 de maio de 1948, a ONU aprovou a criação do Estado de Israel. Foi o renascimento nacional daquela nação, cumprindo o que diz Ez 37.7,8. Falta o renascimento espiritual (Ez 37.9), que só acontecerá em meio à Grande Tribulação (Zc 12.10; Rm 11.25,26). Devemos ficar atentos, pois Israel é chamado “relógio de Deus”, indicando a hora do fim.

II. SINAIS DO CÉU

Jesus previu que, antes do arrebatamento, “haverá também coisas espantosas, e grandes sinais do céu” (Lc 21.11,25). Em At 2.19, lemos: “e farei aparecer prodígios em cima no céu e sinais em baixo na terra: sangue, fogo e vapor de fumaça”. Muito se tem falado nos discos voadores, ou OVNIs. Serão eles de Deus? Do Diabo? Da Terra? Acreditamos que não são de Deus, pois causam confusão, medo e pavor. Se for do homem, trata-se de uma tecnologia desconhecida. Ao que tudo indica, são aparições demoníacas, que impressionam os homens, em sua mentalidade tecnicista, afastando-os de Deus.
III. SINAIS EMBAIXO NA TERRA

1. Terremotos em vários lugares (v.7). Os terremotos são sinais na Terra (At 2.19), usados por Deus como indicadores de seus desígnios sobre o planeta. Para que se tenha uma ideia, os terremotos estão aumentando em número, a cada ano. Entre 1901 e 1908, houve mais terremotos do que nos dezenove séculos. Dados científicos indicam que, neste século, já houve mais de um milhão de terremotos, em graus de intensidade diferentes. É Deus falando. As pedras falam (Lc 19.40). Quando da morte de Jesus, as pedras falaram (Mt 27.51).

2. Secas e catástrofes eco lógicas (At 2.19). Há fenômenos estranhos. O chamado “El Nino” tem provocado secas em umas regiões, enquanto causa enchentes em outras, confundindo os meteorologistas. O planeta está sendo destruído pelo homem. A poluição do ar, das águas e do solo causam prejuízos inimagináveis ao meio ambiente e ao ser humano. Mas, por trás dessa ação maléfica, está o espírito demoníaco, que deseja provocar o maior número de mortes, de pessoas que não tem a salvação, para levá-las ao Inferno. Ainda bem que a Bíblia diz que Deus punirá os que destroem a terra (Ap 11.18).

IV. SINAIS NA VIDA POLÍTICA1. Guerras e rumores de guerra (v.6). Após as duas guerras mundiais, do século passado, ocorreram muitas outras guerras menores, como no Sudeste asiático, no Oriente Médio, nas Américas, na África e, mais recentemente, na Europa, com a guerra na ex-Iugoslávia, envolvendo a Sérvia, a Croácia, Kosovo e outras regiões. A China vive em estado de guerra contra Taiwan. É “nação contra nação, e reino contra reino” (v.7). Lembramos que há guerras eletrônicas, que podem trazer catástrofes reais. É “o princípio de dores” (vv.6,8). Vale salientar que ninguém sabe até quando durará esse “princípio”. Não nos esqueçamos de que “um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos, como um dia” (2 Pedro 3.8). É necessário ficarmos atentos.

2. Formação de blocos econômicos. É a preparação do palco para a encenação do governo do Anticristo. Em Ap 13.3,7 e 17.12,13, vemos a previsão do renascer do Império Romano. A Comunidade Europeia, com sua moeda única e um parlamento supranacional, já preparam o terreno para o governo mundial. Na América do Sul, há o Mercosul e na América do Norte, o Nafta.

V. SINAIS NA VIDA SOCIOECONÔMICA
1. Fomes (v.7a). O homem já sabe como chegar a Marte. Mas não sabe como fazer a comida chegar à mesa da maioria das pessoas. A fome é uma realidade, que acomete quase dois terços da humanidade. Todos os sistemas econômicos têm falhado. A fome atinge milhões de pessoas.

2. Pestes. Em nosso País, doenças endêmicas do início do século, como a dengue, a tuberculose, o sarampo e outras, estão voltando, apesar de todos os recursos da Medicina. Na África, há pouco tempo, surgiu o vírus Ebola, de efeito tão devastador, que mata uma pessoa em vinte e quatro horas; a AIDS (em português: Síndrome da Deficiência Imunológica Adquirida), já acomete mais de 20 milhões de pessoas, ameaçando propagar-se rapidamente por todo o mundo. Certamente, é sinal de que o fim está próximo. Fomes e pestes são juízo de Deus sobre os ímpios (Dt 28.48; Dt 32.24; 1 Rs 18.2).


VI. SINAIS NA VIDA MORAL
1. Aumento da iniquidade (v.12). Os homicídios, latrocínios, sequestros, estupros e outros atos de violência têm se multiplicado e aterrorizado as cidades, alimentados pelo tráfico de drogas, de armamentos, de prostituição, até de crianças. Mas iniquidade não é só a prática de violência e corrupção. É a falta de equidade. Muitos, mesmo se dizendo evangélicos, têm agido com iniquidade, praticando a injustiça contra os irmãos. Em consequência, o amor tem esfriado, como Jesus previu.

2. Depravação, como nos dias de Ló (Lc 17.28; Gn 19). Como no tempo de Ló, a imoralidade se espalha. Em lugar do casamento, da família tradicional, prega-se abertamente outros tipos de união tais como “produção independente”, em que uma mulher se junta com um homem, que faz o papel apenas de reprodutor, sem que se casem, para ter um filho. Homossexuais e lésbicas têm o apoio legal para suas práticas, condenadas pela Bíblia (Lv 20.13: Dt 23.17,18; Rm 1.23-28). Mas será severo o juízo de Deus sobre esse comportamento social (vide Lc 17.28-30).


CONCLUSÃO
Os ensinos de Jesus são um alerta solene sobre a natureza, a forma e o tempo em que ocorrerá a sua vinda, quando os mortos ressuscitarão e os vivos serão transformados, para encontrá-lo nos ares. Que o Senhor nos ensine e nos ajude a ter uma vida santa de tal maneira que nosso “espírito, e alma, e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo” (1 Ts 5.23).

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

O SEXO FORA DO CASAMENTO É PECADO?


                                            


Sexo premarital é pecado e, igualmente o extramarital.

1. Fornicação. Prática do sexo entre solteiros ou entre casado e solteiro. O fornicário não entra no céu (Ap 21.8; Gl 5.19 e 1 Co 6.18).
2. Adultério. Relação sexual de casados com pessoas que não são seus cônjuges (Mt 5.27; Mc 10.9 e Rm 13.9). É grave e desastroso pecado (Pv 5.1-5).

3. Prostituição. Em sentido geral, envolve todas as práticas sexuais pecaminosas. Em sentido estrito, é a intimidade sexual com prostitutas e a infidelidade conjugal. Deus a proíbe com veemência (Dt 23.17); é grave pecado (1 Co 6.16); é insanidade, loucura, estupidez e torpeza (Pv 7.4-10; 1 Co 6.15-18).

4. Homossexualismo. É a prática sexual entre pessoas do mesmo sexo. Contrariando a opinião de muitos, a Bíblia condena, pois é abominação ao Senhor (Lv 20.13; 18.22; Dt 23.17,18), perversão sexual de Sodoma — sodomia (Gn 19.5). Deus destruiu cidades por causa disso (Dt 23.17). Não entram no Reino de Deus os que praticam tais atos (1 Co 6.9,10).

5. A masturbação. Há ensinadores que não a consideram pecado de forma alguma. Outros, dizem que é totalmente errado. Outros, ainda, dizem que, se não for por vício, mas por necessidade, torna-se moralmente justificável. De qualquer forma, é pecado, por contrariar o plano de Deus, pois o sexo não deve ser egoísta, mas partilhado com outra pessoa, no âmbito do casamento. A masturbação está sempre associada a fantasias sexuais.

CONCLUSÃO
Os preceitos bíblicos que dão conta da sexualidade se identificam com o que Jesus chamou de “caminho estreito”, o qual poucos se dispõem a palmilhar. No mundo hodierno, onde os meios de comunicação em massa aprovam, promovem, incentivam e exaltam o erotismo, sensualidade, a prostituição e o sexo fora do casamento, de modo irresponsável e pecaminoso é necessário que o cristão tome posição firme e consciente. Ele deve orientar-se pelos princípios morais e éticos, para a sexualidade, à luz da Palavra de Deus.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

O QUE PODE E O QUE NÃO PODE COMER SEGUNDO A BÍBLIA?

Texto base - Romanos:14:1-18
14.1   Aceitem entre vocês quem é fraco na fé sem criticar as opiniões dessa pessoa.

14.2   Por exemplo, algumas pessoas crêem que podem comer de tudo, mas quem é fraco na fé come somente verduras e legumes.

14.3   Quem come de tudo não deve desprezar quem não faz isso, e quem só come verduras e legumes não deve condenar quem come de tudo, pois Deus o aceitou.

14.4   Quem é você para julgar o escravo de alguém? Se ele vai vencer ou fracassar, isso é da conta do dono dele. E ele vai vencer porque o Senhor pode fazê-lo vencer.

14.5   Algumas pessoas pensam que certos dias são mais importantes do que outros, enquanto que outras pessoas pensam que todos os dias são iguais. Cada um deve estar bem firme nas suas opiniões.

14.6   Quem dá mais valor a certo dia faz isso para honrar o Senhor. E também quem come de tudo faz isso para honrar o Senhor, pois agradece a Deus o alimento. E quem evita comer certas coisas faz isso para honrar o Senhor e dá graças a Deus.

14.7   Porque nenhum de nós vive para si mesmo e nenhum de nós morre para si mesmo.

14.8   Se vivemos, é para o Senhor que vivemos; e, se morremos, também é para o Senhor que morremos. Assim, tanto se vivemos como se morremos, somos do Senhor.

14.9   Pois Cristo morreu e viveu de novo para ser o senhor tanto dos mortos como dos vivos.

14.10   Portanto, por que é que você, que só come verduras e legumes, condena o seu irmão? E, você, que come de tudo, por que despreza o seu irmão? Pois todos nós estaremos diante de Deus para sermos julgados por ele.

14.11   É isto o que as Escrituras Sagradas dizem: “Juro pela minha vida, diz o Senhor, que todos se ajoelharão diante de mim e todos afirmarão que eu sou Deus.”

14.12   Assim, cada um de nós prestará contas de si mesmo a Deus.

14.13   Por isso paremos de criticar uns aos outros. Pelo contrário, cada um de vocês resolva não fazer nada que leve o seu irmão a tropeçar ou cair em pecado.

14.14   Por estar unido com o Senhor Jesus, eu estou convencido de que nada é impuro em si mesmo. Mas, se alguém pensa que alguma coisa é impura, então ela fica impura para ele.

14.15   Se você faz com que um irmão fique triste por causa do que você come, então você não está agindo com amor. Não deixe que a pessoa por quem Cristo morreu se perca por causa da comida que você come.

14.16   Não dêem motivo para os outros falarem mal daquilo que vocês acham bom.

14.17   Pois o Reino de Deus não é uma questão de comida ou de bebida, mas de viver corretamente, em paz e com a alegria que o Espírito Santo dá.

14.18   E quem serve a Cristo dessa maneira agrada a Deus e é aprovado por todos.


Deus proíbe comer sangue e explica por que: 
Gênesis- 9.4   Mas uma coisa que vocês não devem comer é carne com sangue, pois no sangue está a vida.

Levítico: 17.14   A vida de todo ser vivente está no sangue, e é por isso que Deus diz aos israelitas que não comam o sangue de nenhum animal, pois o sangue é a vida. Quem comer sangue será expulso do meio do povo de Israel.

Atos: 15.20 -  [ e disse pedro:]  Penso que devemos escrever [ para os gentios  novos convertidos] uma carta, dizendo que não comam a carne de animais que foram oferecidos em sacrifício aos ídolos, que não pratiquem imoralidade sexual, que não comam a carne de nenhum animal que tenha sido estrangulado e que não comam sangue.

sábado, 6 de dezembro de 2014

A IGREJA PASSARÁ PELA GRANDE TRIBULAÇÃO?

volta
A base nas escrituras para esperarmos o arrebatamento antes da tribulação
Está provado que a compreensão da profecia bíblica é progressiva – à medida que os eventos mundiais continuam a se desdobrar, os elementos que antes eram considerados alegóricos agora fazem pleno sentido! Além disso, desde 1989, os espíritos-guia demoníacos estão dizendo aos autores de livros de Nova Era para prepararem seus aderentes para o arrebatamento do povo cristão.
“Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras” – apóstolo Paulo em 2 Tessalonicenses 4:18.
Já usei muito esta ilustração, mas a julgar pelos comentários que recebemos desafiando nossa posição que o arrebatamento ocorrerá antes da Tribulação, ela aparentemente precisa ser repetida com frequência: o que estava anteriormente fora dos limites da razão agora tornou-se bastante razoável à luz dos eventos atuais.
Por exemplo:
Até o início do século XX, a maioria dos comentaristas via o exército de duzentos milhões de soldados mencionado em Apocalipse 9.16 como algo totalmente fantástico [[impossível]] e que deveria ser considerado como uma alegoria – representativo de alguma outra verdade espiritual. Eles raciocinavam que como todos os exércitos do mundo daquela época combinados não atingiriam aquele número astronômico, a passagem não deveria ser entendida literalmente. Entretanto, setenta e cinco anos depois, ficamos sabendo que a China sozinha provavelmente poderia mobilizar um exército daquele tamanho, se assim desejasse. Novamente, aquilo que antes estava fora dos limites da razão tornou-se agora bastante razoável! E o mesmo princípio aplica-se às demais profecias – o tempo inevitavelmente lança mais luz sobre a interpretação.
Similarmente, a história da igreja mostra que, em alguns casos, foram necessários várias centenas de anos para que todas as grandes doutrinas da fé fossem codificadas e solidificadas. Por exemplo, a justificação unicamente pela fé não foi completamente “firmada” até os dias de Martinho Lutero, nos anos 1500s. Assim, não vamos cair na armadilha de pensar que tudo o que os primeiros pais disseram seja sacrossanto e esteja fora de revisão.
Até hoje, muitos ainda ridicularizam o conceito do que caracterizam como “um arrebatamento secreto” porque insistem que uma pessoa supostamente chamada Margaret McDonald concebeu a idéia em 1830 – e a idéia foi adotada posteriormente pela denominação Irmãos Plymouth, e popularizada por meio dos esforços de C. I. Scofield, e sua famosa Bíblia de Referência.
Para responder a essas objeções, tudo o que podemos [[ou precisamos]] dizer é, “O que dizem as Escrituras”? A posição (como afirmamos enfaticamente) encaixa-se com todas as Escrituras e fazem mais sentido do que aquelas que são anteriores a ela? Vamos descobrir examinando o assunto da forma mais objetiva que pudermos.
Que haverá uma remoção instantânea da igreja do mundo é algo que está fora de disputa, porque 1 Tessalonicenses 4:13-18 e 1 Coríntios 15:51-53 declaram isso. A principal diferença de opinião gira em torno dequando ocorrerá essa remoção, pois muitos insistem que será simultânea à Segunda Vinda de Cristo no final do Período da Tribulação, e não no início. Todos os crentes concordam que Deus certamente arrebatará seus filhos deste mundo a qualquer tempo que escolher, mas existem várias razões lógicas para acreditarmos que esse evento ocorrerá antes da Tribulação.

Primeiro, precisamos compreender que o principal propósito do Período da Tribulação (“O Dia do Senhor”) é punir e refinar a nação de Israel
 – não a igreja de Jesus Cristo – que é sua amada noiva. Parte (senão a maioria) da confusão que cerca esse assunto é causada pela compreensão incorreta do termo “escolhido” como se referisse aos filhos de Deus.
A igreja é formada exclusivamente de indivíduos escolhidos, mas existem dois grupos distintos de escolhidos fora da igreja: O primeiro é formado pelos santos do Antigo Testamento e o segundo é o grupo daqueles que serão salvos durante o período da Tribulação. Portanto, quando vemos o termo “escolhidos” usado em Mateus 24, juntamente com algumas referências nos evangelhos de Marcos e Lucas – precisamos entender que esses não são os santos da Época da Igreja – por razões que serão explicadas em detalhes posteriormente.
A maioria das profecias sobre o Período da Tribulação encontra-se no Antigo Testamento e, portanto, é claramente destinada a Israel. Adicionalmente, não faz absolutamente nenhum sentido o Senhor fazer sua noiva passar pelos horrores inimagináveis da Tribulação – mesmo considerando-se que a igreja é formada por pecadores merecedores do inferno. Ele nos salva pela sua graça e não por algum mérito nosso, assim que propósito haveria em punição durante a Tribulação? Enquanto estivermos nestes corpos mortais, o pecado continuará a caracterizar nossa existência e nenhuma punição apagará nossa natureza pecaminosa. Somente após recebermos nossos corpos glorificados é que finalmente estaremos livres do pecado.
Aqueles que insistem que o período da Tribulação servirá para remover “as máculas e as rugas” [Efésios 5:27] da igreja antes que ela possa se apresentar diante de Cristo, negligenciam esse fato básico. As imperfeições humanas e toda mancha do pecado precisa ser removida de nós como um pré-requisito para que possamos comparecer na presença de Deus – e isso será realizado instantaneamente no arrebatamento [1 Coríntios 15:50-58]. Tal crença [[que a Tribulação é necessária para purificar a Igreja]] forma a base para [[a doutrina romanista, falsa, de]] o Purgatório, de modo que aqueles que acreditam que a igreja precisa passar por um período de “purificação” estão aceitando a mentira do Purgatório! Os cristãos que constituem a igreja são imaculados, pois Jesus Cristo nos imputou sua perfeição.
Vejamos o que dizem as Escrituras do Antigo Testamento sobre o assunto “Dia do Senhor” – “o tempo de angústia de Jacó” – para obter uma melhor compreensão de sua aplicação a Israel. Como veremos, poucos temas bíblicos associados com o final dos tempos atraíram tanta atenção ou foram tão enfatizados no Antigo Testamento.
Quando os profetas mencionam: “O dia do Senhor”, freqüentemente soam como Amós, que escreveu:
“Ai daqueles que desejam o dia do SENHOR! Para que quereis vós este dia do SENHOR? Será de trevas e não de luz. É como se um homem fugisse de diante do leão, e se encontrasse com ele o urso; ou como se entrando numa casa, a sua mão encostasse à parede, e fosse mordido por uma cobra. Não será, pois, o dia do SENHOR trevas e não luz, e escuridão, sem que haja resplendor?” [Amós 5:18-20]
Embora o “Dia do Senhor” como um termo teológico, inclua tudo o que acontece em todo o período durante o qual Deus cumpre suas promessas e traz a história ao fim, a ênfase encontrada na maioria das passagens do Antigo Testamento está no período tenebroso de tribulação e julgamento que iniciará aquele dia. Ele é retratado como um tempo terrível para a humanidade; dias repletos dos juízos de Deus em que a Terra será devastada e esvaziada, e seus habitantes morrerão aos milhões. Haverá trevas, aflições e ais, à medida que a ira de Deus for totalmente liberada contra a humanidade rebelde [compare Deuteronômio 4:30-31; Isaías 2:19, 24:1,3,6,19-21; Jeremias 30:7; Daniel 12:1; Joel 1:15, 2:1-2; Amós 5:18-20; Sofonias 1:14-15,18] Conforme descobrimos nessas passagens do Antigo Testamento, as nações pagãs e o povo eleito de Deus, Israel, experimentarão o julgamento divino, pois a abrangência da Tribulação será mundial.
Como Jeremias disse em 25:32-33: “Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Eis que o mal passa de nação para nação, e grande tormenta se levantará dos confins da terra. E serão os mortos do SENHOR, naquele dia, desde uma extremidade da terra até à outra; não serão pranteados, nem recolhidos, nem sepultados; mas serão por esterco sobre a face da terra. Uivai, pastores, e clamai, e revolvei-vos na cinza, principais do rebanho, porque já se cumpriram os vossos dias para serdes mortos, e dispersos, e vós então caireis como um vaso precioso. E não haverá refúgio para os pastores, nem salvamento para os principais do rebanho.”
No entanto, apesar de todos os horrores desse tempo terrível, o objetivo é claro que ele levará ao livramento.
Eis algumas citações dos profetas:
“Ah! porque aquele dia é tão grande, que não houve outro semelhante; e é tempo de angústia para Jacó; ele, porém, será salvo dela.” [Jeremias 30:7]
“Vivo eu, diz o Senhor DEUS, que com mão forte, e com braço estendido, e com indignação derramada, hei de reinar sobre vós. E vos tirarei dentre os povos, e vos congregarei das terras nas quais andais espalhados, com mão forte, e com braço estendido, e com indignação derramada. E vos levarei ao deserto dos povos; e ali face a face entrarei em juízo convosco; como entrei em juízo com vossos pais, no deserto da terra do Egito, assim entrarei em juízo convosco, diz o Senhor DEUS. Também vos farei passar debaixo da vara, e vos farei entrar no vínculo da aliança. E separarei dentre vós os rebeldes, e os que transgrediram contra mim; da terra das suas peregrinações os tirarei, mas à terra de Israel não voltarão; e sabereis que eu sou o SENHOR.” [Ezequiel 20:37-38]
“E acontecerá em toda a terra, diz o SENHOR, que as duas partes dela serão extirpadas, e expirarão; mas a terceira parte restará nela. E farei passar esta terceira parte pelo fogo, e a purificarei, como se purifica a prata, e a provarei, como se prova o ouro. Ela invocará o meu nome, e eu a ouvirei; direi: É meu povo; e ela dirá: O SENHOR é o meu Deus.” [Zacarias 13:8-9] [Observe que dois terços de Israel serão mortos e somente um terço sobreviverá aos rigores do julgamento de Deus!]
O Período da Tribulação objetiva fazer a purificação [veja também Apocalipse 7:9 e 14:4] e preparar a conversão nacional de Israel [compare com Ezequiel 20:37-38; Zacarias 13:1,8-9, citado anteriormente]. E, de tudo isso, devemos compreender que a Tribulação do mundo inteiro está bem próxima. Entretanto, até mesmo esse mais terrível de todos os tempos será usado por Deus para o bem final, e levará a história em direção ao fim que ele planejou. Estes são alguns textos adicionais para estudo:
Dia do Senhor: Isaías 2:12; 13:6; Ezequiel 13:5; 30:3; Joel 1:15, 2:1,11,31; Amós 5:18-20; Obadias 1:15; Sofonias 1:7,14; Zacarias 14:1; Malaquias 4:5.

Tribulação:
 Deuteronômio 4:30-31; Isaías 2:19, 24:1,3,6,19-21, 26:20-21; Jeremias 30:7; Daniel 9:27, 12:1; Joel 2:1-2; Amós 5:18-20; Sofonias 1:14-15,18.
Agora que estabelecemos a base para o Período da Tribulação e mostramos como ele se refere a Israel e não à igreja, voltemos nossa atenção para os aspectos lógicos e de bom senso para o arrebatamento antes da Tribulação. Já dissemos que é um ponto irrealista e espiritualmente improdutivo pensar que o Senhor sujeitaria sua amada noiva aos terríveis eventos da Tribulação. E, aproveitando que estamos no assunto da noiva de Cristo, vamos dar uma rápida olhada nos antigos costumes hebraicos de noivado e casamento.
Uma vez que os pais concordassem com o casamento de seus filhos e o noivado formal fosse declarado (o noivado naquele tempo tinha o mesmo vínculo de indissolubilidade que o casamento), o noivo então iria providenciar uma casa para viver com a noiva. Isso, freqüentemente levava até dois anos para ser concluído. Enquanto esperava, a noiva permanecia na casa de seu pai, mas vivia em uma “expectativa do retorno do noivo a qualquer momento”. Suas malas ficavam prontas, por assim dizer, pois ela ansiava com expectativa pelo dia em que seu pretendido voltaria para ela. Então, quando o noivo finalmente ficava preparado para receber sua noiva, um alegre grupo de celebrantes, juntamente com os “amigos do noivo” – os paraninfos, ou padrinhos, na terminologia atual – vinham à casa da noiva à meia-noite, e um amigo do noivo gritava “Aí vem o noivo!” A noiva, logicamente, devia acordar e abrir a porta para os celebrantes. Nesse ponto, ele acompanhava o grupo festivo até a casa do pai do noivo, onde a cerimônia de casamento ocorria – e depois disso, o casal se mudava para sua nova casa, para uma lua-de-mel que normalmente durava sete dias.

Os paralelos entre o costume hebraico do casamento e o arrebatamento da igreja são inegáveis!
 A noiva (a igreja) deve esperar a vinda no noivo (Jesus Cristo) na casa de seu pai (este mundo, controlado por Satanás). Quando o noivo volta após um período de separação de dois anos (aproximadamente 2.000 anos até aqui), a noiva é levada para a casa do pai do noivo (a casa do Pai Celestial) onde ocorre a cerimônia de casamento. A lua-de-mel na nova casa (as “moradas” de João 14:2) dura sete dias (corresponde aos sete anos do Período da Tribulação aqui na Terra).
Então, encontramos outro forte argumento para um arrebatamento anterior à Tribulação em 1 Tessalonicenses 5:9, em que lemos: “Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para a aquisição da salvação, por nosso Senhor Jesus Cristo.”
Esse verso, considerado no contexto, está obviamente conectado com o ensino de Paulo a respeito do arrebatamento – pois esse é o assunto do capítulo 4 e verso 13 até o capítulo 5 verso 11. E, uma das principais razões que motivou Paulo a escrever essa primeira carta era que a igreja de Tessalônica estava entristecida pelo destino dos seus amados. Aquelas pessoas também tinham crido e aparentemente tinham morrido sem terem sido tomadas nos céus por Cristo (como Paulo tinha ensinado anteriormente, isso aconteceria algum dia). No entanto, como Paulo só esteve com eles por aproximadamente um mês, o conhecimento que eles tinham do assunto era incompleto. Portanto, para corrigi-los nesse mal-entendido, Paulo diz que seus familiares mortos “em Cristo” na verdade (somente por um momento) precederiam aqueles que estarão vivos no instante do arrebatamento.
Observe que Paulo usa a palavra “consolai-vos” duas vezes em seu discurso, em um esforço de aliviar seus temores; depois ele conclui com o verso citado anteriormente (5:9), dizendo que Deus não os tinha destinado para a ira – a ira divina que está reservada para a nação de Israel (em particular, e para o restante do mundo em geral) e, portanto, devemos compreender que esse ensino a respeito do arrebatamento objetiva ser uma fonte de consolação para todos os crentes da Época da Igreja.
Como o Diabo não tinha acabado de atormentar esses cristãos tessalonicenses, circulou a falsa noção que por causa da perseguição que eles estavam experimentando, o “dia do Senhor” (o Período da Tribulação) já estava presente e eles tinham perdido o arrebatamento! Isso levou Paulo a escrever sua segunda epístola, em que lhes deu (e a nós também) dois sinais inegáveis, sem os quais o Período da Tribulação não poderá iniciar! No verso três do capítulo dois, Paulo nos diz que não devemos nos deixar enganar por ninguém, pois “aquele dia” não virá sem que ocorra antes a apostasia – uma apostasia, ou afastamento, dependendo da interpretação que se tenha da palavra grega apostasia – juntamente com o aparecimento do “homem do pecado”, o Anticristo. Assim, precisamos compreender que esses dois eventos terão de ocorrer antes do início do período da Tribulação.
Neste ponto, gostaria de lhe fazer uma pergunta: Qual outra razão poderia ter motivado Paulo a apresentar esse ensino aos tessalonicenses, se não tivesse em vista o arrebatamento anterior à Tribulação? Pense nisso.
Outro ponto interessante refere-se à “apostasia” de 2 Tessalonicenses 2:3. A maioria vê isso com um afastamento em massa da fé anterior ao Período da Tribulação e essa certamente parece ser uma possibilidade quando o Anticristo ascender ao poder e as pessoas de todo o mundo começarem a adorá-lo. No entanto, ao longo dos anos, vários mestres proeminentes insistem que a palavra grega apostasia também pode ser traduzida como “afastamento – como no afastamento da igreja deste mundo – e crêem que isso se refira a um arrebatamento anterior à Tribulação. Entretanto, alguns estudiosos do grego – muitos dos quais adotam a posição anterior à Tribulação – não concordam com a interpretação de “afastamento”, de modo que esse ponto em particular está longe de ser resolvido.
O Comentário Bíblico Amplificado usa as palavras “afastamento da igreja” na nota de rodapé para esse verso – 2 Tessaloniceses 2:3 – pois isso dá o significado total da palavra, apostasia.
Outra porção das Escrituras que se aplica à nossa discussão encontra-se em Apocalipse 3:10, onde o Senhor glorificado dirige palavras à igreja de Filadélfia:
“Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra.” Pense atentamente na palavra hora. É um termo limitado à Terra. Uma vez que você saia da Terra e do sistema solar, essa palavra não tem a mesma relevância!
As sete igrejas mencionadas em Apocalipse, capítulos 2 e 3, eram igrejas literais espalhadas pela Ásia Menor no tempo em que João escreveu o Apocalipse. Muitos eruditos bíblicos acreditam que elas representam sete períodos distintos da história da igreja, finalizando com os “laodicéienses” – um tempo de espiritualidade morna imediatamente anterior ao período da Tribulação. Outra interpretação é que são sete tipos de igrejas, contendo membros individuais que são representativos de todas as expressões de espiritualidade e fidelidade a Jesus Cristo. E é para o caráter “filadelfense” fiel dos cristãos genuínos (que estiverem vivos naquele tempo), que a promessa é feita: “eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo”. Observe que a promessa é “guardar da hora” e não “guardar na hora” da tribulação, como alguns pós-milenistas insistem que é o caso.
Noé foi salvo “da” ira de Deus no dilúvio, mas passou pela hora! Ló foi salvo da ira de Deus, mas passou pela hora. Jesus Cristo promete à igreja que a livrará da hora da provação que virá sobre todo o mundo.
Outro ponto interessante é que a igreja é mencionada freqüentemente até Apocalipse 3, mas então no verso 1 do capítulo 4, João recebe uma súbita ordem “Sobe aqui” (simbólica do arrebatamento?) e a igreja não é mencionada novamente até muito mais tarde, onde a encontramos como a “esposa do Cordeiro”, no capítulo 21.
Em seguida, no verso 4 do capítulo 4, encontramos os vinte e quatro anciãos (presbuteros no texto grego) assentados em volta do trono celestial e vestidos de branco e com coroas de ouro. Estar vestido de branco significa que a pessoa é uma vencedora [Apocalipse 3:4-5] e as coroas são consistentemente retratadas no Novo Testamento como representativas de recompensa. Assim, o fato de os anciãos estarem assim vestidos indica que o julgamento ante o Tribunal de Cristo [2 Coríntios 5:10] já ocorreu e os galardões já foram distribuídos! Se você duvida dessa interpretação, apenas veja o verso 3 do capítulo 5, em que encontramos estas palavras: “E ninguém no céu, nem na terra, nem debaixo da terra, podia abrir o livro, nem olhar para ele”. O verso 4 continua “… ninguém fora achado digno de abrir o livro, nem de o ler, nem de olhar para ele.” Meu amigo, Jesus Cristo é homem e Deus ao mesmo tempo – a segunda pessoa da Trindade – mas esses comentários obviamente não se referem a ele! Como então estão essas pessoas no céu, se não pelo arrebatamento? É nossa compreensão das Escrituras que o próprio Jesus Cristo foi o primeiro homem a ressuscitar e entrar nos céus como “as primícias dos que dormem”.
Se é assim, os santos do Antigo Testamento ou do período da Tribulação não poderão preceder a igreja nos céus como homens ressuscitados por causa do que encontramos nos seguintes versos: “Mas de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos, e foi feito as primícias dos que dormem. Porque assim como a morte veio por um homem, também a ressurreição dos mortos veio por um homem. Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo. Mas cada um por sua ordem: Cristo as primícias, depois os que são de Cristo, na sua vinda.” [1 Coríntios 15:20-23; ênfase adicionada]
Consideradas no contexto, a frase, “os que são de Cristo” refere-se à igreja e, portanto, são os próximos na fila a serem ressuscitados – com nenhum outro grupo precedendo-os.
Acople esses fatos com Apocalipse 7:13-14 e precisamos chegar à outra conclusão:
“E um dos anciãos me falou, dizendo: Estes que estão vestidos de vestes brancas, quem são, e de onde vieram? E eu disse-lhe: Senhor, tu sabes. E ele disse-me: Estes são os que vieram da grande tribulação, e lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro.”
Que esses são os santos do período da Tribulação está fora de qualquer discussão! E, como acabamos de ver em 1 Coríntios 15:20-23, Cristo é as “primícias dos que dormem” e depois disso os que pertencem a ele serão ressurretos. Assim, quando Apocalipse 7:13-14 informa-nos dos santos do período da Tribulação nos céus, isso requer que a igreja tenha sido arrebatada em algum ponto anterior!
Em que ponto a Tribulação começará na Terra? Em Apocalipse 6:1, encontramos o Senhor Jesus Cristo abrindo o primeiro selo, que sinaliza o início, mas observe algo que acontece antes disso no capítulo 5: Os versos 8 e 9 nos dizem que “os quatro animais” e os vinte e quatro anciãos (esses anciãos claramente representam todos os cristãos) “cantam um novo cântico, dizendo “Digno és de tomar o livro, e de abrir os seus selos; porque foste morto, e com o teu sangue compraste para Deus homens de toda a tribo, e língua, e povo, e nação; e para o nosso Deus os fizeste reis e sacerdotes; e eles reinarão sobre a terra.”. A expressão “toda a tribo, e língua, e povo, e nação” está obviamente se referindo a um grupo muito maior do que apenas os vinte e quatro anciãos.
E então há a exortação do apóstolo Paulo a respeito do dia do Senhor: “Mas, irmãos, acerca dos tempos e das estações, não necessitais de que se vos escreva; porque vós mesmos sabeis muito bem que o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão. Mas vós, irmãos, já não estais em trevas, para que aquele dia vos surpreenda como um ladrão; porque todos vós sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite nem das trevas. Não durmamos, pois, como os demais, mas vigiemos, e sejamos sóbrios; porque os que dormem, dormem de noite, e os que se embebedam, embebedam-se de noite. Mas nós, que somos do dia, sejamos sóbrios, vestindo-nos da couraça da fé e do amor, e tendo por capacete a esperança da salvação; porque Deus não nos destinou para a ira, mas para a aquisição da salvação, por nosso Senhor Jesus Cristo, que morreu por nós, para que, quer vigiemos, quer durmamos, vivamos juntamente com ele. Por isso exortai-vos uns aos outros, e edificai-vos uns aos outros, como também o fazeis.” [1 Tessalonicenses 5:1-11]
Por que Paulo os ensinou (e nos ensinou) a vigiar se o evento não é iminente – poderia ocorrer a qualquer momento e está em seguida no calendário profético de Deus? Observe a cuidadosa distinção que Paulo faz entre os pronomes “vós” e “eles”. Esse contraste destina-se a mostrar que nós, ao contrário daqueles que estão perdidos, não seremos pegos desprevenidos quando o dia do Senhor vier como um ladrão de noite. Entenda isto – O dia do Senhor terá a duração de sete anos ao tempo da Segunda Vinda de Cristo, de modo que “venha” obviamente significa o início dele – exatamente após o “afastamento” e a revelação do homem do pecado.
E isso nos traz ao assunto de Mateus 24 – em minha humilde opinião o capítulo mais malcompreendido e mal-aplicado de toda a Bíblia, no que se refere às profecias. Até mesmo os doutores em teologia que deveriam conhecer mais tropeçam nessa porção das Escrituras e a consideram inteiramente fora do contexto quando tentam aplicar uma parte dela ao arrebatamento. O senso comum diz que Paulo sabia sobre o que estava falando em 1 Coríntios 15:51, quando disse:
“Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados.”
O que a palavra “mistério” (grego musterion) significa quando é usada no Novo Testamento? Ela se refere a uma Escritura anteriormente não-revelada! Em outras palavras, Paulo está nos dizendo algo aqui em aproximadamente [[o ano]] 59-60 [[d.C]] que nunca antes tinha sido revelado por Deus: o assunto do arrebatamento. Esse fato apenas exige que nenhuma das palavras de Cristo em Mateus 24 possa estar se referindo ao arrebatamento! Por que esse ponto é importante, você pode perguntar. Bem, vamos apenas olhar para o capítulo e destacar alguns detalhes.
Na cena que temos diante de nós, o Senhor está respondendo às perguntas feitas pelos seus discípulos. É muito provável que nesse ponto particular o grupo era formado unicamente de judeus. Jesus Cristo ainda não tinha morrido e a Época da Graça ainda não tinha iniciado, de modo que 100% do que encontramos nos relatos dos evangelhos está sob a lei e não sob a graça! Nenhum dos profetas do Antigo Testamento “viu” a Época da Igreja porque Deus não revelou isso a eles – era um “mistério” divino! E, o ensino do Senhor aqui é perfeitamente coerente com esse princípio. Ele está instruindo os judeus sobre o que a “geração” [verso 34] experimentará durante o Período da Tribulação, pois a igreja ainda não estava visível e ainda seria revelada! Com essa idéia em mente, observe que os versos 4-13 descrevem as condições que o remanescente judaico eleito experimentará durante os dias tenebrosos do período da Tribulação – o “tempo da angústia de Jacó”.
Mateus 24:9 diz muito claramente que, “Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Deus selará 144.000 judeus no início desse período terrível e é para eles que esse discurso é dirigido. O verso 13 tem sido malcompreendido e mal-aplicado por muitos cristãos pensando que precisamos “perseverar até o fim” para sermos salvos, quando na realidade isso está se referindo ao livramento físico dos judeus que estarão vivos na Segunda Vinda de Cristo – no final do Período da Tribulação!

Lembre-se que isso não pode se aplicar aos cristãos de forma alguma, pois naquele ponto – quando Jesus proferiu as palavras registradas em Mateus 24 – a igreja ainda era um mistério [Efésios 3:1-6]
. Observe que o verso 14 diz: “E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim.” Meus amigos, o evangelho da graça ainda era desconhecido naquele tempo!Esse “evangelho do reino” – a mensagem que João Batista e Jesus Cristo pregaram e à qual o Senhor está se referindo aqui – era “Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus”.
Essa mensagem será pregada novamente durante o período da Tribulação pelos 144.000 israelitas citados em Apocalipse 7 e pelas “duas testemunhas” de Apocalipse 11:3. O final do Período da Tribulação – que ocorrerá na Segunda Vinda de Cristo – não acontecerá até que essa mensagem específica do evangelho tenha sido ouvida por todas as nações e por meio da qual elas saberão que o reino literal de Jesus Cristo na Terra está prestes a ser iniciado. Quando o Senhor disse isso aos seus discípulos, ele tinha acabado de ser rejeitado como rei pela nação de Israel e sabia que suas palavras eram para uma futura geração de descendentes. Em nenhum lugar a igreja aparece aqui.
Começando com o verso 15, temos o início da “Grande Tribulação” – os três anos e meio finais, que serão tão terríveis que o Senhor fez o seguinte comentário no verso 21: ” Porque haverá então grande aflição, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem tampouco há de haver.” [Mateus 24:21]
Que os judeus são o foco principal desse discurso é deixado claro no relato paralelo encontrado em Marcos 13. Observe o fraseado do verso 9:
“Mas olhai por vós mesmos, porque vos entregarão aos concílios e às sinagogas; e sereis açoitados, e sereis apresentados perante presidentes e reis, por amor de mim, para lhes servir de testemunho.” [Marcos 13:9; ênfase adicionada]
Pelo que sei, os judeus não costumam levar os cristãos às suas sinagogas por razão alguma, muito menos para surrá-los! No entanto, durante a Tribulação, os 144.000 judeus eleitos serão perseguidos pelo seu próprio povo, bem como pelos gentios.
Em seguida, no verso 22, temos uma frase muito interessante sobre a abreviação “daqueles dias” por Deus, pois se ele não fizesse isso, nenhuma carne se salvaria! Isso tem uma relação direta com o verso 36 – outro comentário feito pelo Senhor que tem sido mal-aplicado há muitos anos. Os pastores dizem aos seus rebanhos, com base no verso 36, que ninguém poderá saber o “dia e a hora” do arrebatamento – quando esse verso não tem absolutamente nada que ver com o arrebatamento, pois considerado no contexto correto, está claramente se referindo à Segunda Vinda. A perseguição e matança será tão grande que Deus abreviará aqueles dias para que alguns permaneçam vivos para povoar o Reino Milenar. E, como o período será abreviado (algo menor que o número total de dias profetizado por Daniel), ninguém saberá o dia e a hora exatos!!! Lembre-se que todo o capítulo 24 de Mateus está lidando com os judeus sob a lei e não com a igreja sob a graça – a igreja e o arrebatamento, naquele tempo, ainda eram mistérios não-revelados dos conselhos de Deus.
O verso 44 tem sido usado para fortalecer o argumento que ninguém pode saber o tempo do arrebatamento, quando na verdade ele está falando dos judeus aterrorizados que estarão escondidos e suas mentes preocupadas com a sobrevivência – não em contar o número de dias que faltam na “Grande Tribulação”, conforme informado ao profeta Daniel (um dos argumentos usados contra “saber o dia e a hora”):
“Por isso, estai vós apercebidos também; porque o Filho do homem há de vir à hora em que não penseis.” [Mateus 24:44]
Pense nisto – os cristãos são exortados em todo o Novo Testamento a vigiar e aguardar o retorno do Senhor para nos levar para si mesmo e somos ensinados que não virá como uma surpresa, de acordo com o seguinte:
Mas vós, irmãos, já não estais em trevas, para que aquele dia vos surpreenda como um ladrão; porque todos vós sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite nem das trevas. Não durmamos, pois, como os demais, mas vigiemos, e sejamos sóbrios.” [1 Tessalonicenses 5:4-6; ênfase minha]
Assim, novamente, vemos que as afirmações em Mateus 24 não podem estar referenciando ao arrebatamento.
O ajuntamento dos escolhidos de Deus “desde os quatro ventos, de uma à outra extremidade dos céus” [verso 31] é “logo depois da aflição daqueles dias…” [verso 29] – Novamente, essa é a Segunda Vinda e não o arrebatamento. As ilustrações “será levado um, e deixado o outro” dos versos 40 e 41 – tão frequentemente usadas para ilustrar o arrebatamento – na verdade referem-se à separação das ovelhas e dos bodes discutida em Mateus 25:33; os que ficarem são aqueles que entrarão no reino milenar. E essa passagem está, logicamente, em um contexto não-interrompido, e é parte dos comentários estendidos do Senhor com relação à sua segunda vinda.
É compreensível que muitos tentem usar Mateus 24 como texto de prova para o arrebatamento pois grande parte do capítulo parece “se encaixar” nele, mas, como vimos – uma inspeção cuidadosa revela que isso simplesmente não é o caso.
Embora muitos bons homens tenham “quebrado a cara” tentando prever a data do arrebatamento, Mateus 24:36 não é uma barreira legítima!
Os eventos mundiais e as atitudes nacionais estão aparentemente convergindo a um perfeito alinhamento com o que as Escrituras dizem que serão as condições existentes na época do aparecimento do Anticristo. Assim sendo, e pelas razões detalhadas anteriormente, acreditamos que o arrebatamento realmente possa ocorrer a qualquer momento. Você está preparado para encontrar o Senhor nos ares?

domingo, 23 de novembro de 2014

ATÉ A NAÇÃO ELEITA FOI CORTADA! - ROMANOS: 11:17-23


Paulo pregação
“Se alguns ramos foram cortados, e você, sendo oliveira brava, foi enxertado entre os outros e agora participa da seiva que vem da raiz da oliveira, não se glorie contra esses ramos. Se o fizer, saiba que não é você quem sustenta a raiz, mas a raiz a você. Então você dirá: ‘Os ramos foram cortados, para que eu fosse enxertado’. Está certo. Eles, porém, foram cortados devido à incredulidade, e você permanece pela fé. Não se orgulhe, mas tema. Pois se Deus não poupou os ramos naturais, também não poupará você. Portanto, considere a bondade e a severidade de Deus: severidade para com aqueles que caíram, mas bondade para com você, desde que permaneça na bondade dele. De outra forma, você também será cortado. E também eles, se não permanecerem na incredulidade, serão enxertados; porque poderoso é Deus para os tornar a enxertar” (Romanos 11:17-23)
Este é um dos textos mais difíceis de um calvinista deturpar e dizer que aquelas pessoas nunca foram salvas, ou que apenas perderam uma recompensa. O texto é claro: aqueles indivíduos (os gentios convertidos) foram “enxertados” na oliveira, representando que eles agora estavam em Cristo, mediante a fé. Mas ao invés de Paulo dizer que eles estariam garantidos na oliveira não importa o que acontecesse, ele faz justamente o contrário, se antecipando a essa possível objeção e dizendo que Deus não lhes pouparia caso desobedecessem, e que havia a possibilidade de eles serem cortados da oliveira.
Mais uma vez, vemos aberta a possibilidade de apostasia, de ser cortado do Reino, de deixar a oliveira, mesmo já estando lá uma vez. Ele não diz que as pessoas que foram enxertadas na oliveira ali permaneceriam incondicionalmente para sempre, mas os alerta com tanto rigor para a possibilidade de serem cortados que é impossível pensar que ele fosse um “calvinista”. Além da permanência na oliveira ser condicional (v.22), ainda havia como ser cortado (v.22), razão pela qual eles deveriam “temer” (v.20). Temer o que, se é realmente impossível perder a salvação?
Extraído do livro “Calvinismo X Arminianismo: quem está com a razão?”,

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

"CONSCIÊNCIA NEGRA" 35 ANOS..


Apresentação

“A luta pela liberdade dos negros brasileiros jamais cessou. Em 1971, um significativo capítulo de nossa história vinha à tona pela ação de homens e mulheres do Grupo Palmares. Lá do Rio Grande do Sul era revelada a data do assassinato de Zumbi, um dos ícones da República de Palmares. Passados sete anos, ativistas negros reunidos em congresso do Movimento Negro Unificado contra a Discriminação Racial cunharam o 20 de novembro como Dia da Consciência Negra. Em 1978, era dado o passo que tornaria Zumbi dos Palmares um herói nacional, vinculado diretamente à resistência do povo negro.
Herdamos os propósitos de Luiza Mahin, Ganga Zumba e legiões de homens e mulheres negras que se rebelaram a um sistema de opressão. Lançaram mão de suas vidas a se conformarem com a prisão física e de pensamento. Contrapuseram-se ante às tentativas de aniquilamento de seus valores africanos e contribuíram com seus saberes para a fundação e o progresso do Brasil.
Orgulhosamente, exaltamos nossa origem africana e referendamos a unidade de luta pela liberdade de informação, manifestação religiosa e cultural. Buscamos maior participação e cidadania para os afro-brasileiros e nos associamos a outros grupos para dizer não ao racismo, à discriminação e ao preconceito racial.
Que este 20 de Novembro, assim como todos os outros, seja de muita festividade, alegria e renove nossas energias para continuarmos nossa trajetória para conquista de direitos e igualdade de oportunidades. Estejamos todos, homens e mulheres negras, irmanados nesta caminhada pela liberdade e pela consciência da riqueza da diversidade racial!”
Matilde Ribeiro Ministra da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial
                                                                                     Racismo no Brasil
racismo.jpgO racismo é qualquer pensamento ou atitude que separam as raças humanas por considerarem algumas superiores a outras.
Quando se fala de racismo, o primeiro pensamento que aparece na mente das pessoas é contra os negros, mas o racismo é um preconceito baseado na diferença de raças das pessoas.
Pode ser contra negros, asiáticos, índios, mulatos, e até com brancos, por parte de outras raças. Por terem uma história mais sofrida com o preconceito, os negros são principal referência quando é discutido o tema racismo.
O racismo em uma pessoa tem diversas origens, depende da história de cada um. Em alguns casos, pode ser por crescerem ouvindo as diferenças e superioridade de determinadas raças, em outros, alguma atitude que moldou seu pensamento. Não importa como o racismo cresceu na mente das pessoas, mas vale ressaltar que se ele for provado, é um crime inafiançável, com pena de até 3 anos de prisão.
Além disso, algumas pessoas valorizam tanto a superioridade de raças que acreditam na purificação delas, onde dominariam o meio em que vivem. Essa justificativa apareceu na escravidão, em que os negros trabalhavam em condições precárias e eram vendidos como objetos. No nazismo, o foco principal eram os judeus, mas também perseguiam negros, homossexuais, entre outras minorias, para serem executados nos campos de concentração.
Com isso, percebe-se como o racismo fez parte da história, e como alguns grupos sofreram muito com isso.
Embora no Brasil haja uma forte mistura de raças, a incidência de racismo pode não ser tão evidente para alguns, mas ele não deixa de existir. Em alguns casos, ele ocorre de forma sutil, em que nem é percebido pelass pessoas.
Pode acontecer em forma de piadas, xingamentos, ou simplesmente evitar o contato físico com a pessoa. A verdade é que nenhum lugar está protegido do racismo.
Diferenças entre Raça e Etnia

raçaeetnia.jpgEmbora seja dito muitas vezes como sinônimos, existem certas diferenças entre raça e etnia. Raça se expressa nas características visíveis da pessoa, ela engloba as características físicas, tais como tonalidade de pele, formação do crânio e do rosto e tipo de cabelo.
A etnia também se refere a isso, mas ela vai além das características físicas da pessoa, ela inclui a cultura, nacionalidade, afiliação tribal, religião, língua e tradições.
Dentre as várias raças humanas, as quatro principais são:
Caucasianos: De origem europeia, norte-americana, árabes e até indiana. Com exceção dos mediterrânicos, tem nariz estrito, lábios delgados e cabelos lisos ou ondulados. Tem como principais características pele e olhos claros. 
Mongoloides: De origem asiática, apresentam a tonalidade de pele amarelada, cabelos lisos, rosto achatado ou largo e nariz de forma variada. Variaram dessa raça os esquimós e índios americanos.
Australóides: Tem como características os olhos escuros, cabelo encaracolado e nariz largo. A tonalidade da pele é escura, quase negra.
NegrosDe origem africana, apresentam as características de pele escura, olhos escuros, lábios grossos, nariz achatado e cabelos crespos.
Como no Brasil há uma mistura de raças muito forte, algumas se tornaram principais no país, além das quatro citadas acima. São elas:
Mestiços: Mistura de duas ou mais raças.
Mulato: Descendente de branco com negro.
Caboclo: Descendente de branco com índio.
Cafuzo: Descendente de negro com índio.
Após a colonização, os portugueses trouxeram os negros para serem escravos no país. A partir daí, implica-se dizer que os principais grupos a habitar o país foram os portugueses, índios e negros. Esses grupos ajudaram a construir a mistura de raças que compõe o país atualmente. Além deles, vieram os italianos, japoneses, espanhóis, entre outros.
A partir dessa união de raças desenvolveu-se o que é o país hoje em dia, e como passaram a ser criados novos costumes e tradições, nascendo assim a etnia.