sexta-feira, 3 de julho de 2015

CASAMENTO OU CELIBATO?



Texto Bíblico > 1 Coríntios 7.1-5,7,10,11.

1 - Ora, quanto às coisas que me escrevestes, bom seria que o homem não tocasse em mulher;
2 - mas, por causa da prostituição, cada um tenha a sua própria mulher, e cada uma tenha o seu próprio marido.
3 - O marido pague à mulher a devida benevolência, e da mesma sorte a mulher, ao marido.
4 - A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no o marido; e também, da mesma maneira, o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no a mulher.
5 - Não vos defraudeis um ao outro, senão por consentimento mútuo, por algum tempo, para vos aplicardes à oração; e, depois, ajuntai-vos outra vez, para que Satanás vos não tente pela vossa incontinência.
7 - Porque quereria que todos os homens fossem como eu mesmo; mas cada um tem de Deus o seu próprio dom, um de uma maneira, e outro de outra.
10 - Todavia, aos casados, mando, não eu, mas o Senhor, que a mulher se não aparte do marido.
11 - Se, porém, se apartar, que fique sem casar ou que se reconcilie com o marido; e que o marido não deixe a mulher.


INTRODUÇÃO

Havia dúvidas entre os crentes de Corinto sobre o casamento e o relacionamento familiar em geral. Foi então que eles resolveram escrever ao apóstolo Paulo a fim de se esclarecerem sobre esses assuntos (v.1).

                                                   
Nesta Postagem, estaremos estudando o capítulo sete da primeira epístola de Paulo aos Coríntios, o texto mais rico da Bíblia acerca do casamento em seus diversos aspectos: o casal e a vida conjugal; os filhos; o estado de solteiro; a separação e o divórcio; a viuvez e o novo casamento etc.


I. CASAMENTO OU CELIBATO

É evidente a inspiração divina e sobrenatural do apóstolo Paulo ao tratar deste importante assunto. "Mando, não eu, mas o Senhor" (v.10); "Digo eu, não o Senhor" (v.12). Ver também os vv.25,40.

1. Casar ou não casar? "Bom seria que o homem não tocasse em mulher" (v.1). No estado de celibato, o homem e a mulher devem manter-se sexualmente abstêmios. Intimidades conjugais são limitadas ao casamento. Deus não criou o sexo para o pecado, como está ocorrendo no mundo ímpio; o chamado "sexo livre", segundo a Palavra de Deus, é abominação. Isto não significa, de acordo com a Bíblia, que seja impróprio, ou condenável, estar solteiro ou casado. É questão de consciência e possibilidades de cada um. Todavia, todos devem estar cientes de que o casamento traz consigo certas obrigações que os pretendentes não podem ignorar. Em 1 Timóteo 4.1-3, o mesmo apóstolo profetiza, pelo Espírito Santo, que um dos sinais do fim dos tempos é a proibição do casamento. Há por toda parte uma multidão de casais vivendo sem serem casados sob o rótulo de "união estável" protegida pelo Estado.

O matrimônio foi instituído por Deus e é um estado honroso (Hb 13.4), mas o celibato também é uma opção de vida perfeitamente natural (v.38). O casal cristão que vive no temor de Deus simboliza Cristo e sua Igreja (Ef 5.31,32).

Obs.- O matrimônio foi instituído por Deus. E, assim como o celibato, é um estado honroso.


II. A NECESSIDADE DO CASAMENTO (vv.2-5)

Ante a imoralidade sexual desenfreada, como era o caso da população de Corinto, e a do mundo hoje, o casamento efetuado por amor recíproco preserva e protege a pureza moral da sociedade a partir da família: "Mas por causa da prostituição, cada um tenha a sua própria mulher, e cada uma tenha o seu próprio marido" (v.2).

Vejamos algumas atitudes e deveres cristãos concernentes ao casamento (vv.3,4).


1. Obrigações recíprocas (7.3,4). "O marido pague à mulher a devida benevolência, e da mesma sorte a mulher, ao marido" (v.3). Ou seja, cumpram com seus deveres conjugais. O verbo "pague" deixa claro que não se trata de favor, mas de uma obrigação; do marido para com a esposa e da esposa para com o marido. Isso nos faz compreender que o ato conjugal não visa somente à procriação, mas a satisfação mútua. No casamento, cada cônjuge tem direito à pessoa do outro. Embora a Bíblia ensine que o marido é a cabeça da família e que a esposa deve obedecer-lhe a orientação, na área sexual ambos estão no mesmo nível. As diferenças afetivas e psicológicas dele e dela devem ser conhecidas por ambos, a partir do marido, por ser ele a cabeça do casal (1 Pe 3.7 "com entendimento"). A expressão "Não vos defraudeis um ao outro" (v.5), é um preceito bíblico. O relacionamento físico do casal é parte do plano divino (1 Co 7.3); é uma necessidade conjugal (Pv 5.15,18); é um direito conjugal (Êx 21.10). No v.5, Satanás é citado como um inimigo pronto para infernizar e destruir o casamento, especialmente através da infidelidade conjugal. Ele sempre procura arruinar tudo o que é bom, e o casamento é um de seus principais alvos. Que isso sirva de alerta para todo casal cristão.

2. Abstinência temporária (7.5,6). Dá-se a abstinência temporária quando um dos cônjuges resolve abster-se sexualmente para dedicar-se de forma integral a uma missão ou atividade espiritual. Há condições definidas para isso (v.5): 1) Consentimento mútuo; 2) A situação deve ser temporária "por algum tempo"; 3) Deverá ser por elevados propósitos cristãos - oração, jejum; e 4) Deverão juntar-se de novo, imediatamente.

O casamento efetuado por amor recíproco preserva e protege a pureza moral da sociedade.

III. O SOLTEIRO (vv.7-9)
 
1. "Cada um tem de Deus o seu próprio dom" (v.7). O termo "dom" refere-se a uma capacitação sobrenatural conferida por Deus para alguém permanecer solteiro sem "abrasar-se" (v.9), e sem frustração. O cristão pode permanecer solteiro por tempo indeterminado, ou nunca se casar para realizar propósitos específicos de Deus. Todavia, isso requer não somente domínio próprio, mas um dom especial da graça divina, o qual não é concedido a todos: "... cada um tem de Deus o seu próprio dom..." (v.7). Você é solteiro (a) e tem o dom do celibato? Está disposto (a) a ficar assim, servindo ao Senhor com fidelidade, segundo seus desígnios específicos para a sua vida?
2. O conselho de Paulo aos solteiros que desejavam permanecer neste estado (v.8) tinha a ver com as condições sombrias que estavam para atingir a igreja. No v.26, a expressão "instante necessidade" equivale a "situação angustiosa que se aproxima". Jesus também abordou esse assunto em Mateus 19.12
 
O solteiro pode permanecer nesse estado para realizar a obra de Deus.se quiser...
Fonte- CPAD- E.B.D. Editado por Antonio Carlos Piemnta

O CRISTÃO E O ABORTO




Êxodo 21.22,23;....... Jó 3.16;.............. Salmos 139.13,14.

Êxodo 21:22,23

22 - Se alguns homens pelejarem, e ferirem uma mulher grávida, e forem causa de que aborte, porém se não houver morte, certamente aquele que feriu será multado conforme o que lhe impuser o marido da mulher e pagará diante dos juízes.
23 - Mas, se houver morte, então, darás vida por vida.

Jó 3:16
16 - ou, como aborto oculto, não existiria; como as crianças que nunca viram a luz.
Salmos 139:13,14
13 - Pois possuíste o meu interior; entreteceste-me no ventre de minha mãe.
14 - Eu te louvarei, porque de um modo terrível e tão maravilhoso fui formado; maravilhosas são as tuas obras, e a minha alma o sabe muito bem.



Não há motivo justificável, à luz da Bíblia, para a aceitação do aborto premeditado. O aborto provocado é um crime e uma covardia, pois a vítima não pode defender-se.

É difícil conceber a ideia de que uma vida onde habita o Espírito Santo, habite também a concepção de homicídio. A consciência cristã iluminada pelo Evangelho de Cristo, não permitiria tal situação.


SÍNTESE TEXTUAL

A vida foi criada por Deus. Ela foi dada por Deus. Por isso, somente o Todo-Poderoso pode tirá-la. A concepção de um ser humano é algo “terrível e maravilhoso”. A Bíblia diz que Deus escolhe pessoas desde o ventre. Se uma mãe comete aborto, como fica o plano de Deus?

O feto é um ser vivo indiscutivelmente. Apesar de as estatísticas mostrarem um alto índice de pessoas favoráveis ao aborto, este, com certeza, não é o pensamento da maioria, incluindo a comunidade cristã. O movimento feminista impinge a ideia de que a mulher tem o direito de usar seu corpo como bem entender. Isto, porém, não justifica o ato de matar. Nas poucas referências existentes na Bíblia, relacionadas a este assunto, o infrator deveria pagar multa caso fosse considerado culpado por causar dano a uma mulher grávida. O que dizer daquele que assassinar deliberadamente?


I- O TERMO ABORTO E A VISÃO BÍBLICA


1. Significado. A palavra aborto vem do latim, abortum, do verbo abortare, com o significado de “pôr-se o sol, desaparecer no horizonte e, daí, morrer, perecer”. Na Bíblia, o referido termo e seus cognatos aparecem em Jó 3.16; Sl 58.8; Ec 6.3 etc. Segundo o Grande Dicionário de Medicina, aborto “é a expulsão espontânea ou provocada do feto antes do sexto mês de gestação, isto é, antes que o feto possa sobreviver fora do organismo materno...”.


2. O aborto na Bíblia. Não são muitas as referências sobre o tema. No Pentateuco, vemos uma referência sucinta sobre o caso de aborto acidental, em que uma mãe fosse ferida por alguém e viesse a morrer (Êx 21.22). Nesse caso, não haveria pena de morte, mas o causador teria que pagar uma indenização. Jó, lamentando o dia de seu nascimento, diz que preferia que não houvesse acontecido, pois seria como as crianças abortadas, que nunca viram a luz (Jó 3.16). Não há qualquer referência bíblica que dê margem ao ato do aborto provocado pois trata-se de um ato em que a vida de um ser indefeso é ceifada.

Resultado de imagem para aborto

II- O FETO EM SEU COMEÇO É UMA PESSOA

1. A infusão da alma no ser gerado. Entendemos que a alma e o espírito são colocados por Deus no embrião, com a concepção. É oportuno dizer aqui que a vida humana, do seu início ao fim, está em grande parte encoberta por um véu de mistério que só o próprio Criador e Sustentador conhece. “Peso da Palavra do Senhor sobre Israel. Fala o Senhor, o que estende o céu, e que funda a terra, e que forma o espírito do homem dentro dele” (Zacarias 12.1); e mais, “Porque para sempre não contenderei, nem continuamente me indignarei; porque o espírito perante mim se enfraqueceria, e as almas que eu fiz” (Isaías 57.16).


2. O exemplo de João Batista e de Jesus. Ao que tudo indica, Maria, a mãe de Jesus, já o tinha no ventre há um mês (quatro semanas), quando foi visitar Isabel, sua prima. Esta já estava com seis meses de grávida de João Batista (Lc 1.36), tendo, nela, um feto de vinte e quatro semanas. A Bíblia nos mostra que, ao ouvir Isabel a saudação de Maria, “a criancinha saltou no seu ventre; e Isabel foi cheia do Espírito Santo” (Lc 1.41). No ventre de Maria, não estava “uma coisa”, mas o Salvador do Mundo; no ventre de Isabel não estava um ser desprovido de alma, mas uma “criancinha” que pulou de alegria ao ouvir a bendita saudação. O Espírito Santo agiu ali através de uma “criancinha” ainda em formação (v.41).


3. O embrião é uma pessoa. Mesmo sem ser uma pessoa completa, não é subumano. É uma pessoa em formação, em potencial. Da primeira à oitava semana (2 meses), completam-se todos os órgãos, apresentando inclusive as impressões digitais. Aos três meses, no útero, o bebê já está formado esperando crescer para vir à luz. Mesmo como ovo, ou feto, desde a concepção, cremos que o bebê não só tem vida, mas possui alma e espírito dentro dele (ver Zc 12.1b).


III. TIPOS DE ABORTO E SUAS IMPLICAÇÕES ÉTICAS PARA O CRISTÃO
1. Aborto natural. Ocorre por motivos ou circunstâncias naturais, implicando na morte do feto. Segundo a Medicina, pode haver aborto por várias causas. Dentre elas, destacam-se as seguintes: “Insuficiente vitalidade do espermatozóide; afecções da placenta; infecções sanguíneas; inflamações uterinas; grave exaustão, diabetes e algumas desconhecidas” (Reifler, p.131). Não há incriminação bíblica quanto a esse caso, pois, não havendo pecado, não há condenação. Em Deuteronômio 24.16b, diz-se que “cada qual morrerá pelo seu pecado”.

2. Aborto acidental. É resultado de um problema alheio à vontade da gestante. Uma queda, ou um susto acidental, inesperado e intenso podem provocar abortamento. Não há implicação ética quanto a isso. A referência de Deuteronômio 24.16b aplica-se a esse caso.


3. Aborto por razões eugênicas. É o aborto por eugenia, isto é, para evitar o nascimento de crianças deformadas ou retardadas. Nós cristãos, segundo os princípios bíblicos, não acatamos tal conceituação, puramente humanista. Pessoas retardadas ou deformadas, ao nascerem, têm personalidade e características verdadeiramente humanas. E, por conseguinte, têm direito à vida. Abortá-las é assassinato. A Bíblia diz: “...e não matarás o inocente...” (Êx 23.7).

4. “Mataram” Beethoven! Já é conhecido um texto em que um professor, desejando mostrar aos alunos como é falha a lógica humana, propõe o seguinte caso: “Baseados nas circunstâncias que mencionarei a seguir, que conselho dariam a uma certa senhora, grávida do quinto filho? O marido sofre de sífilis; ela, de tuberculose. Seu primeiro filho nasceu cego. O segundo, morreu. O terceiro nasceu surdo, e o quarto é tuberculoso. Ela está pensando seriamente em abortar a quinta gravidez. Que caminho vocês lhe aconselhariam?”. Os alunos pensaram e, diante das circunstâncias, sugeriram que o aborto seria aconselhável para que não nascesse mais um filho defeituoso. O professor, então, lhe respondeu: “Se vocês disseram sim à ideia do aborto, acabaram de matar o grande compositor Ludwig van Beethoven”.
CONCLUSÃO
Há ainda outros casos em que a sociedade alega razões para a prática do aborto, mas sem qualquer respaldo bíblico. O cristão tem a ver com Cristo e a Bíblia, e não com o mundo e o seu modo de viver e agir. Com exceção do caso em que a vida não totalmente desenvolvida do bebê constituísse uma ameaça de morte para a vida plenamente desenvolvida da mãe, não há motivo justificável à luz da Bíblia para a realização do abortamento. Todavia, lembremo-nos de uma coisa: “Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem ou mal” (2 Coríntios 5.10). Por isto, devemos agir de acordo com a ética cristã, levando-se em consideração, sempre, a santidade da vida.
Fonte: CPAD- EBD- Editado por Antonio Carlos Pimenta

domingo, 7 de junho de 2015

O QUE É "GRANJEAR AMIGOS COM AS RIQUEZAS DA INJUSTIÇA?

Em primeiro lugar, queremos salientar que o nosso Senhor não se refere ao mordomo como um modelo de probidade; de outro modo, não lhe teria dado o epíteto de “mau”. Jesus nunca autorizou a falta de honradez no comércio humano. O mordomo de que tratamos enganou o seu senhor, e quebrou, assim, o oitavo mandamento. Seu amo ficou admirado da astúcia do seu servidor, quando lhe chegou ao conheci¬mento o que lhe havia feito, e louvou-o pela sua sagacidade e previsão. Porém, isso nada prova que o seu proceder lhe agradasse, e, de fato, não há uma palavra que indique a aprovação do Senhor Jesus, pois, com o vocábulo “amo” ou “senhor”, a parábola não denota o Senhor Jesus, mas o amo do malfeitor. De fato, sob o ponto de vista moral cristão, o modo como agiu o mordomo não pode, de forma alguma, ser imitado por nós.
“Como se explica a expressão ‘Granjeai amigos com as riquezas da injustiça’, da parábola do mordomo infiel, de Lucas 16.1-12?”Esse versículo é. sem dúvida, de difícil interpretação. Há pontos que não serão esclarecidos antes que venha o Senhor pela segunda vez. É natural, que um livro como a Bíblia, escrita por inspiração, contenha coisas difíceis de se compreender. O defeito, contudo, não está no livro, mas em nosso limitado entendimento. Se não aprendemos outra coisa nesta parábola, ao menos, sejamos humildes. Devemos possuir, antes de mais nada, muito cuidado, para não deduzirmos do versículo citado, doutrinas e preceitos que ele não ensina.
A advertência feita nesse caso é muito necessária. A má fé nos negócios é, desgraçadamente, muito comum em nossos dias. A honradez nos contratos é coisa rara. Em transações comerciais muitos praticam atos que a Bíblia condena. Milhares de pessoas há que, para depressa ficarem ri¬cas, cometem faltas que ofendem a equidade: Pv 28.28. A astúcia, a destreza em comprar, a habilidade e esperteza em vender e realizar negócios de toda natureza, fazem passar despercebidas coisas que se não deveriam permitir. A classe a que pertencia o mordomo infiel é, contudo, numerosa.
Não nos esqueçamos disto: sempre que fizermos aos outros, aquilo que não desejamos que nos façam, podemos estar certos de que procedemos mal aos olhos de Cristo.
Observa-se a lição principal que se nos prodigaliza nesta parábola: é prudente estarmos prevenidos para qualquer contratempo.
O modo como se portou o mordomo infiel, quando soube que seria prejudicado seu futuro, foi, indubitavelmente, hábil e sagaz. O diminuir partes das contas do que devia ao seu senhor, era um ato de má fé, mas, sem dúvida, com ele adquiriu muitos amigos. Pervertido como era, não descurou o futuro. Desonestas como eram as providências que tomou, não deixava, contudo, o mau servidor de atender às suas próprias necessidades. Não cruzou os braços, nem deixou que a pobreza fechasse as portas de sua casa, porém meditou, raciocinou, fez seus cálculos e pô-los em execução, sem receio algum. O resultado viu-se: não ficou desamparado.
Que contraste surpreendente observamos entre o proceder do mordomo infiel em referência aos interesses temporais e a maior parte dos homens a respeito das questões espirituais! É sob este ponto de vista, unicamente, que o mordomo infiel nos dá exemplo que devemos imitar. Como ele, é mister que cuidemos do nosso porvir. Como ele, é necessário que nos previnamos para o dia em que deixarmos a morada terrena para entrarmos na celestial; como ele, temos de construir “um edifício nos céus”, onde fixaremos o nosso lugar, quando se desfizer o tabernáculo terrestre do nosso corpo: 2 Co 5.1. Realmente, é necessário empregar todos os meios válidos ao nosso alcance, para obtermos a morada celestial.
Sob este aspecto, a parábola é altamente instrutiva. A solicitude que os homens do mundo manifestam pelos interesses dessa vida, deverá provocar vergonha aos cristãos por sua frieza muitas vezes manifestada para com as coisas eternas.
O zelo e a constância de que os homens negocistas dão provas, quando percorrem mar e terra para granjearem riquezas, são uma natural reprovação da indiferença e indolência que patenteiam muitos crentes a respeito dos tesouros celestiais. As palavras do Senhor são verdadeiramente profundas e solenes: “… os filhos deste mundo são mais prudentes na sua geração do que os filhos da luz”, Lc 16.8.
Nosso Senhor nos ensina, com essas palavras, a sermos escrupulosos, fiéis em tudo, e nos previne a não pensarmos que o procedimento, em assuntos pecuniários, de conformidade com o mordomo infiel, seja coisa insignificante. Jesus quer que não nos esqueçamos de que o modo como o homem procede em relação ao “muito pouco”, dará uma prova de sua índole e que a injustiça “no muito pouco” é grave sintoma do mau estado em que se encontra o coração. Sem dúvida, não nos dá a entender, nem por sombra, que a honradez em questões pecuniárias pode tornar justas as nossas almas ou purificá-las dos nossos pecados, porém, ensina-nos, clara e positivamente, que a má fé nas transações é sinal de que o coração não é reto aos olhos de Deus.
O ensino que o Senhor nos dá há de merecer consideração muito séria nos tempos que correm. Parece que existem pessoas que se persuadem da possibilidade de divorciar a religião verdadeira da honradez comum, e que se alguém é ortodoxo na doutrina, pouco importa que na prática use a trapaça ou o engano. As palavras de nosso Mestre são, de fato, um protesto solene contra essa perniciosa idéia. Destarte, devemos velar para não cairmos em semelhante erro. Defendamos com energia as doutrinas gloriosas da salvação pela graça e da justificação pela fé, porém, longe de nós supor que a verdadeira religião autoriza, de alguma forma, o menosprezo da segunda tábua da Lei. Não nos esqueçamos, nem por momentos, de que a verdadeira fé se conhece por seus frutos. Estejamos certos de que quem não é honrado, não possui a graça divina.
Por outro lado. o leitor deve entender que essa parábola não foi dirigida aos escribas e fariseus, mas aos discípulos. Estes ouviram a lição que Jesus dera aos hipócritas, ouviram falar de um homem que malbaratou seu dinheiro e também de outro que havia empregado a má fé. Em sua presença, tinha-se descrito com cores vivas o pecado da libertinagem; era coerente que se lhes oferecesse agora um quadro de uma falta menos chocante – a da fraude e engano.
Finalmente, podemos dizer ao leitor que três são, a nosso ver, as lições contidas nesta parábola:
• E prudente estarmos preparados para o futuro.
• É importante fazer bom uso do dinheiro.
• Temos de ser fiéis, mesmo nas coisas menores.
Fonte: A Bíblia Responde – Ed. CPAD

A EXPRESSÃO "FUNDO DUMA AGULHA"


Em resposta à pergunta feita pelos discípulos: “Então quem pode ser salvo?” Jesus respondeu: “Os impossíveis dos homens são possíveis para Deus”, Lc 18.27. Nessa frase, as palavras “dos” e “para” são uma só no original, cujo sentido literal é “ao lado”. Tome-se o lado do homem, na questão das riquezas, e torna-se-á impossível a salvação. Porém, tome-se o lado de Deus sobre a questão e a impossibilidade anterior se transformará em possibilidade.

“A expressão de Mateus 19.24 ‘fund
o duma agulha’ ou ‘buraco duma agulha’ é literal ou simbólica?”
O contexto desse passo bíblico trata de um jovem rico que amava tanto as suas ri¬quezas que elas lhe serviam de impedi¬mento. A mensagem é clara. Os indivíduos de mentalidade materialista que consomem a vida procurando adquirir bens materiais, só encontram satisfação nas riquezas ou na busca delas; e somente em casos raríssimos é que chegam a se importarem com as questões espirituais para encontrar a vida eterna. Porém, seria um erro aplicarmos o texto somente aos ricos, porquanto o materialismo tem realizado a sua devastação moral até mesmo entre os pobres. Ao falar sobre a impossibilidade desse tipo de pessoas entrarem no reino de Deus, Jesus pregou a ilustração que é a impossibilidade de um “camelo passar pelo buraco de uma agulha”. Alguns têm imaginado que o buraco de agulha referido fosse uma portinhola, no muro de Jerusalém, através do qual pudesse passar finalmente um camelo, depois de muitos puxões e empurrões; outros admitem que a expressão camelo, que no grego representa uma pequena modificação de “Kamelos” para “Kamilos”, trata de uma corda grossa ou um cabo, mas isso só diminuiu a impossibilidade do ato. Todavia, o grego de Mateus 19.24 e de Marcos 10.25 fala de uma agulha usada com linha, enquanto que o de Lucas 18.25 usa o termo médico que indicava uma agulha usada nas operações cirúrgicas. É evidente que ali não é considerada nenhuma portinhola, mas sim, o pequenino buraco de uma agulha de costura. Provavelmente era um provérbio incomum para ilustrar coisas impossíveis. O Talmude fala por duas vezes de um elefante para o qual é impossível passar pelo buraco de uma agulha. Por conseguinte, quem quer que ame as riquezas, a ponto de isso impedi-lo de confiar em Jesus Cristo como Salvador, está na impossibilidade de ser salvo.
Fonte: Livro “A Bíblia Responde” Editora CPAD

terça-feira, 26 de maio de 2015

PROJETO BLUE BEAM> SAIBA SOBRE O FALSO ARREBATAMENTO

A OPERAÇÃO DO ERRO PARA ENGANAR OS CRISTÃOS.



Projeto Blubeam , segundo alguns, é um plano secreto superior atual orquestrada em parte pela NASA que, em quatro etapas, as tentativas ninguém menos do que a primeira bandeira falsa global com a ajuda da tecnologia holográfica 3D. De acordo com Serge Monast , Projeto Bluebeam consistirá de quatro estágios, culminando em uma espécie de apocalipse ELF Radiação:

  1. Primeiro, terremotos vai expor novas descobertas arqueológicas, revelando que as doutrinas básicas de todos os religiões têm sido mal interpretado e mal interpretado.
     
  2. Em segundo lugar, a imagem de Deus que fala em todas as línguas aparecerá em um Space Show gigantesco com projeções a laser de múltiplas imagens holográficas em 3 dimensões em todo o mundo.
     
  3. Terceiro telepatia, eletrônico envolvendo ondas ELF, VLF e LF vai chegar dentro de cérebros, entrelaçamento e intercalando com o pensamento natural para formar pensamento artificial difusa e fazer com que todos acreditam que Deus está falando para eles de dentro de suas próprias almas.
     
  4. Em quarto lugar, manifestação eletrônico universal "sobrenatural", destinada a enganar a humanidade fará acreditar uma invasão alienígena é iminente, fazer cristãos acreditam que um arrebatamento é iminente e os estrangeiros vieram para resgatá-los, e convencer todos os que as forças sobrenaturais e manifestações satânicas globais penetrantes worldwide- -travelling através de fibra ótica, cabos coaxiais, linhas elétricas e telefônicas - estão em toda parte e inescapável.
                           voce será enganado

                             VON BRAUN PREDICTION


Dr. Wernher von Braun previu que a invasão alienígena hoaxed seria a primeira ameaça que o mundo teria de enfrentar após a ameaça da guerra Oriente Médio. Dr. Carol Rosin conheceu Dr. Wernher von Braun, em fevereiro de 1974. Foi neste momento, pouco antes de sua morte em 1977, que von Braun atordoado Dr. Rosin por descrever este plano, ponto por ponto, assim como na descrição detalhe exatamente onde estava levando tudo:. controle planetário sob um opressivo Governo Mundial Segundo o Dr. Rosin, von Braun, em seguida, deu-lhe uma tarefa suprema para frustrar esse plano: para parar o armamento do espaço. Não fazer isso levaria a calamidade para a raça humana como um poder transnacional secreto, já existentes, passaria a ter permanentemente o controle deste planeta através de uma invasão alienígena hoaxed do espaço exterior.
TIMED por Sião Jogos Olímpicos de 2012?

Pesquisador independente Rik argila também veio a público com suas investigações delator em 2008 ligando os Jogos Olímpicos de 2012 ", com Zion e do falso invasões UFO relação com a vindoura Nova Jerusalém. Um olhar mais atento sobre um vídeo do 2012 a construção do estádio olímpico irá revelar que 2012 símbolo olímpico enuncia claramente a palavra "Zion". Para a ligação entre os Jogos Olímpicos e Zion ver também este documento detalhado . Por outra conexão "Zion / UFO", aqui estão dois clipes do YouTube que pretendem ser de um OVNI que desceu sobre a Cúpula da Rocha no Monte do Templo em Jerusalém, em 28 de janeiro de 2011:

domingo, 24 de maio de 2015

A NATUREZA HUMANA DE JESUS E SEU PODER SOBRE A NATUREZA E O MAL.

O Poder  de Jesus sobre a natureza.                                                                 
 Até este ponto, Lucas já havia mostrado Jesus exercendo poder sobre demônios e enfermidades (Lc 4.31-44). Agora, ele o mostra exercendo o seu poder sobre as forças da natureza (Lc 8.23-25). A tempestade surge, aqui, como uma força impessoal revelando que a harmonia original da criação se perdeu. Nesse momento, ela se levanta como uma força poderosa que precisa ser detida. Ao receber a voz de comando do Filho de Deus, as forças descontroladas da natureza param. Jesus põe ordem no caos. A cena foi tão dramática para os discípulos, que arrancou deles a pergunta: "Quem é este que até aos ventos e a água manda?"

 Comentário: Este relado é encontrado nos três Sinóticos. Para uma argumentação mais detalhada, veja Mateus 8.18, 23-27 (cf. Mc 4.35-41). Sendo o próprio Criador, Ele demonstrou seu poder sobre a natureza ao repreender a tempestade que aterrorizava os discípulos que, no barco, atravessavam o mar da Galiléia (Mt 8:23-26). Depois do atraso causado pela conversa com os dois homens (cf. v. 18), Jesus entrou em um barco com os seus discípulos (23). Este era provavelmente o pequeno barco de pesca de Pedro. Quando eles estavam cruzando o lago, se levantou (24) uma tempestade (seismos, “terremoto”). Enquanto o barco era coberto pelas ondas, Jesus estava dormindo (tempo imperfeito). Ele estava tão cansado que a tempestade não o despertou (veja também Mc 4.35-41; Lc 8.22-25). Muito assustados, os discípulos o despertaram com o grito: Senhor, salva-nos, que perecemos (25). Ele primeiro os repreendeu por temerem (26; de forma literal, “covardemente”) e então repreendeu os ventos e o mar. O resultado foi uma grande bonança. Não é de surpreender que aqueles homens tenham se maravilhado (27). Em seus anos de pescaria no lago eles já tinham passado por muitas tempestades graves, mas nunca por uma que tivesse sido subitamente acalmada pela ordem de uma pessoa. A reação deles ainda hoje é pertinente: Que homem é este! Como um mero homem Ele seria completamente inexplicável. Comentário Bíblico Beacon – CPAD, pág 74.].
2. Poder sobre os demônios. Se a natureza é uma força impessoal, o mesmo não pode se dizer do Diabo. A Bíblia mostra que ele é um ser pessoal, isto é, dotado de personalidade. Jesus e seus discípulos tiveram que enfrentá-lo muitas vezes. Ainda quando descrevia o relato da tentação de Cristo, Lucas informa que Satanás ausentou-se de Jesus "por algum tempo" (Lc 4.13). Jesus derrotou o Diabo na tentação do deserto, mas depois disso teve outros embates com ele. De fato, a Escritura registra vários casos de pessoas oprimidas e possessas de demônios que tiveram um encontro com Jesus e seus discípulos (Lc 4.33-37,41; 6.18; 7.21; 8.27; 9.39; 10.17-19; 11.14; 13.11). Em todos os casos, tais pessoas foram libertas e Satanás derrotado. [Comentário: Os demônios, como em outras ocasiões, reconheceram Cristo como sendo o Filho de Deus e temeram o tormento que inevitavelmente sofreriam. Atendendo um pedido, Jesus permitiu que os demônios entrassem em uma manada de porcos que estava nas proximidades - Marcos afirma que eram quase dois mil. O resultado foi que toda a manada morreu nas águas do lago (30-32). Aqueles que guardavam os porcos fugiram até à cidade para contar tudo o que havia ocorrido (33). Toda aquela cidade saiu ao encontro de Jesus. O povo, tomado pelo medo (Lc 8.38) rogou que Ele se retirasse do seu território (das suas “fronteiras” ou do seu “distrito”). Eles tiveram medo do poder de Jesus. Algumas vezes, duas questões têm sido formuladas a respeito desse acontecimento. A primeira é: Por que Jesus permitiu que esses porcos fossem destruídos? Houve quem sugerisse que Ele queria confirmar a fé dos dois endemoninhados curados, por esta evidência visível de que os demônios haviam realmente deixado os seus corpos. Alguns pensam que Jesus fez isso para mostrar à multidão o poder tremendo e as tendências destrutivas que os demônios possuem. Trench escreve sobre o relato onde somente é mencionado um endemoninhado: “Se esta concessão ao pedido dos espíritos maus ajudou de alguma maneira a cura deste sofredor, fazendo com que eles relaxassem a sua posse do corpo dele com maior facilidade, aliviando o ataque através de sua saída, este teria sido um motivo suficiente para permitir que aqueles animais morressem. Para a cura definitiva do homem poderia ter sido necessário que ele tivesse esta evidência exterior e o testemunho de que os poderes infernais que o mantinham aprisionado agora o haviam deixado”. Uma segunda pergunta que se faz é a seguinte: Que direito tinha Jesus de destruir a propriedade de outras pessoas? A resposta para esta pergunta é mais difícil. Se tivéssemos certeza de que os donos eram judeus, isto ofereceria uma solução simples. Os judeus deveriam evitar as carnes impuras, o que incluía os porcos. Mas Decápolis era uma região de população predominantemente gentílica. De qualquer forma, o caráter de Cristo garante que Ele não faria nada injusto. Os atos de Deus não podem ser sempre julgados segundo os padrões dos homens. Porém devemos sempre nos lembrar de que Deus não fica devendo nada a ninguém. Se tivéssemos mais informações, poderíamos entender melhor esta situação. Comentário Bíblico Beacon – CPAD, pág 75,76.].

sábado, 23 de maio de 2015

A ORIGEM DO UNIVERSO.



Salmos 19.1-6; 136.3,5-9; Hebreus 11.3.

Salmos 19

1 - Os céus manifestam a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos.

2 - Um dia faz declaração ao outro dia, e uma noite mostra sabedoria a outra noite.

3 - Sem linguagem, sem fala, ouvem-se as suas vozes

4 - em toda a extensão da terra, e as suas palavras, até ao fim do mundo. Neles pôs uma tenda para o sol,

5 - que é qual noivo que sai do seu tálamo e se alegra como um herói a correr o seu caminho.

6 - A sua saída é desde uma extremidade dos céus, e o seu curso, até à outra extremidade deles; e nada se furta ao seu calor.

Salmos 136

3 - Louvai ao Senhor dos senhores; porque a sua benignidade é para sempre.

5 - Aquele que com entendimento fez os céus; porque a sua benignidade é para sempre.

6 - Àquele que estendeu a terra sobre as águas; porque a sua benignidade é para sempre.

7 - Àquele que fez os grandes luminares; porque a sua benignidade é para sempre.

8 - O sol para governar de dia; porque a sua benignidade é para sempre.

9 - A lua e as estrelas para presidirem a noite; porque a sua benignidade é para sempre.

Hebreus 11

3 - Pela fé, entendemos que os mundos, pela palavra de Deus, foram criados; de maneira que aquilo que se vê não foi feito do que é aparente.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

De acordo com Nancy Pearcey, o “senso de que o Universo foi projetado é encontrado em praticamente todas as culturas”. Devido à filosofia amoral do naturalismo, as pessoas creditam a origem do Universo ao acaso. Nós precisamos entender que um dos propósitos da visão naturalista não é simplesmente elucidar a origem do Universo, mas retirar toda ordem moral que existe. Quando se afirma que procedemos do acaso, assevera-se também que surgimos sem qualquer propósito. Portanto, não precisamos prestar contas de nossos atos. Porém, se fomos criados por Deus, como mostram as evidências, devemos viver segundo seus princípios. Com base nesta explicação, reproduza o quadro antitético abaico e esclareça o que realmente está em jogo em toda a questão da origem do Universo.





Palavra Chave

Universo: O conjunto de tudo quanto existe, incluindo-se a Terra, os astros e as galáxias, evidencia um Criador.

Ao meditarmos sobre a grandeza do Universo, vemos quão magnífico é Deus sobre todas as coisas criadas. A Igreja de Cristo tem por obrigação mostrar a verdade sobre a criação dos céus e da terra através das Sagradas Escrituras. O assunto é de especial importância para todos os crentes, pois visa capacitá-los a combater os argumentos e hipóteses materialistas que se opõem à fé cristã.


I. A GRANDEZA DO UNIVERSO

1. A grandeza do Universo revela o Criador. “Os céus manifestam a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos” (Sl 19.1). O Universo, onde está situado o pequeníssimo planeta Terra, possui cerca de 100 bilhões de estrelas, além do Sol; sendo apenas um entre um bilhão de outros universos conhecidos! Todavia, Deus a todos conhece pois todos eles foram criados e são mantidos por Ele.

2. A diminuta dimensão da Terra em relação ao Universo. A Terra faz parte do sistema solar, que inclui o Sol e os planetas que, por sua vez, fazem parte de uma galáxia situada num conjunto de 200 bilhões de estrelas. A Terra se desloca nesse sistema à velocidade de 218 quilômetros por segundo! O Sol é 1.500.000 vezes maior do que a Terra, sendo considerado uma estrela de quinta grandeza. A Bíblia afirma: “... não se pode contar o exército dos céus, nem medir-se a areia do mar...” (Jr 33.22). O Universo é tão grande que Deus considera as nações “como a gota de um balde e como o pó miúdo das balanças”... “São como nada perante ele” (Is 40.15,17).

3. A origem do Universo, segundo a falsa ciência. A falsa ciência ensina, nas escolas seculares, que o Universo “surgiu por acaso” há cerca de 20 bilhões de anos, a partir de uma “Grande Explosão”. Para os materialistas, o Universo não foi feito por um Criador onipotente e soberano. Crianças, adolescentes e jovens são enganados com esse tipo de ensino anti-cristão. Todavia, a falsa ciência não consegue explicar o que existiu antes do aparecimento do Universo. Nós, porém, sabemos que somente um eterno Criador infinitamente sábio e poderoso é capaz de explicar a grandeza, a ordem e o funcionamento do macrocosmo (Gn 1.1; Jó 38).

SINOPSE DO TÓPICO (I)

A grandeza do Universo atesta a existência de um Criador Todo-Poderoso, mesmo que para a falsa ciência isso pareça inadequado.


II. O QUE DIZ A BÍBLIA SOBRE A ORIGEM DO UNIVERSO

1. Deus criou o Universo. As Escrituras Sagradas mostram claramente a origem do Universo do seguinte modo: “No princípio, criou Deus os céus e a terra” (Gn 1.1). “E disse Deus: Haja luminares na expansão dos céus... e fez as estrelas” (Gn 1.14,16). Esta é a verdade sobre a origem do mundo de acordo com a Palavra de Deus. As teorias cosmológicas alheias à Bíblia são fraudulentas e enganosas. Do Gênesis a Apocalipse a Bíblia reafirma que Deus, de fato, criou o Universo (Ap 4.11; 10.6; 14.7).

2. O Universo foi criado de modo organizado, e não caótico.

a) No primeiro dia, Deus criou a luz cósmica; fez separação entre a luz e as trevas, e criou o “Dia” e a “Noite” (Gn 1.1-5); não era ainda a luz solar, mas a luz cósmica, que está presente em todo o espaço sideral;

b) No segundo dia, Deus fez “uma expansão no meio das águas”, provavelmente águas em estado gasoso, acima e abaixo da “expansão”, e criou os “céus” (Gn 1.6-8);

c) No terceiro dia, Deus criou a Terra, os mares e a vegetação (Gn 1.9-13);

d) No quarto dia, Deus criou o Sol, a lua e as estrelas (Gn 1.14-19);

e) No quinto dia, Deus determinou que as águas produzissem “répteis”, “aves” e “grandes animais aquáticos” (Gn 1.20-23);

f) No sexto dia, Deus criou os animais terrestres e o homem (Gn 1.24,26). O ser humano não “evoluiu” dos seres irracionais, como a falsa ciência ensina (1 Tm 6.20), mas é um ser especial, criado por Deus, como afirma a Bíblia (Gn 1.26-29; 2.7-22; 5.1,2).

3. Deus fez todas as coisas. João, em seu evangelho, afirma a respeito de Jesus na criação do Universo: “No princípio, era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por Ele, e sem Ele nada do que foi feito se fez” (Jo 1.1-3; Sl 33.6). Por outro lado, a Bíblia registra que os escarnecedores ignoram que os céus e a terra foram criados pela Palavra de Deus (2 Pe 3.5).

SINOPSE DO TÓPICO (II)

A Bíblia, a revelação especial, e o Universo, a revelação geral, confirmam que o cosmos foi criado de modo organizado, e não caótico.


III. O QUE DIZ A VERDADEIRA CIÊNCIA

1. A verdadeira ciência confirma a Bíblia. A ciência constata que o Universo veio a existir exatamente como a Bíblia no-lo descreve. Embora não tenhamos suficiente espaço para explorar exaustivamente o assunto, basta citarmos o que escreveu o autor da Epístola aos Hebreus: “Pela fé, entendemos que os mundos, pela palavra de Deus, foram criados; de maneira que aquilo que se vê não foi feito do que é aparente” (Hb 11.3).

2. O “deus” dos materialistas. Eles acreditam no “deus” acaso. Crêem que o Universo, com bilhões de corpos celestes, incluindo a Terra, surgiu mediante uma “grande explosão”. Essa “fé” no acaso é cega, privada de reflexão e equivale a um fanatismo religioso radical. A Bíblia prevê esse tipo de mentalidade e, por isso, assegura que Deus tornou louca a sabedoria deste mundo (1 Co 3.19).

Exaltemos a Deus por conhecermos a origem do Universo, por meio das Escrituras, que assevera com segurança e certeza: “No princípio, criou Deus os céus e a terra”(Gn 1.1).

SINOPSE DO TÓPICO (III)

A verdadeira ciência defende o fato de o Universo ter sido projetado e criado por um Ser Inteligente.

CONCLUSÃO

Somente as Escrituras, a inerrante e completa Palavra de Deus, têm a única e mais lógica explicação para a origem do Universo. Negar a existência de um plano elaborado e executado por um Criador onisciente, onipotente e onipresente é negar a própria lógica do Universo, estudada pela Astronomia, pela Física, pela Química e por outras ciências correlatas. Cumpre-se o que assegura, de modo eloqüente, a Palavra de Deus: “Os céus manifestam a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos” (Sl 19.1). Ver também Pv 3.19; Is 42.5; 45.12,18.

VOCABULÁRIO
Amoral: Falta de moral.
Cosmologia: Ciência afim da astronomia que trata da estrutura do Universo.
Infinitesimal: Relativo às quantidades infinitamente pequenas, infinitésimas.
Macrocosmo: O mundo grande, o Universo como um todo orgânico.

“A ordem do Universo

Os cosmólogos descobriram que forças fundamentais do universo estão intricadamente equilibradas, como se estivessem no fio de uma faca. Por exemplo, consideremos a força da gravidade. Se fosse um pouco mais forte, todas as estrelas seriam anãs vermelhas, muito frias para sustentar a vida. Mas se fosse mais fraca, todas as estrelas seriam gigantes azuis, queimando em muito pouco tempo para que a vida se desenvolvesse. Os cosmólogos falam de ‘coincidências cósmicas’, querendo dizer que as forças fundamentais do universo têm por coincidência o valor numérico exato necessário para tornar a vida possível. A mais leve mudança tornaria o universo inóspito para a vida.

Como estes valores numéricos não se mostraram nem muito alto nem muito baixo, mas exatamente os certos?

O que torna a questão tão intrigante é que não há causa física que explique por que estes valores estão tão bem afinados para sustentar a vida. ‘Nada em toda a física explica por que seus princípios fundamentais deveriam se amoldar com tanta precisão às exigências da vida’, diz o astrônomo George Greenstein. E considerando que não há causa física conhecida, parece suspeitosamente que são produto da intenção, como se alguém os tivesse projetado desse modo”.

(PEARCEY, N. Verdade Absoluta. RJ: CPAD, 2006, p.212)


APLICAÇÃO PESSOAL

A vida seria muito ruim se não houvesse imaginação. A capacidade de imaginar é exclusividade dos seres humanos. Somente nós podemos olhar para as nuvens do céu e imaginar nas suas formas objetos, animais e até pessoas. Contudo, seria ingenuidade olhar para o céu, vislumbrar uma nuvem com os dizeres “Feliz dia do Trabalhador” e acreditar que isso é produto da imaginação ou de alguma ação da natureza, pois facilmente concluímos que se trata de algo planejado e produzido por uma ação humana. Se algo tão simples, mas tão lógico, nos faz prescindir da imaginação, como podemos conceber que o Universo com toda sua complexidade seja resultado de uma involuntária explosão? Bem mais simples, lógico e exeqüível, é abrir a mente e os olhos, reconhecendo, ante as evidências, o Criador e a necessidade urgente de nos relacionarmos com Ele.

sexta-feira, 22 de maio de 2015

# UTOPIA E PROFECIA



“Vinde, edifiquemos para nós uma cidade…  e façamos para nós um nome” (Gn 11.4)
“Porque não temos aqui uma cidade permanente, mas buscamos a futura” (Hb 13.14)
A palavra “utopia” foi criada por Thomas Morus, como descrevendo uma sociedade perfeita, onde governantes e governados viviam na mais perfeita harmonia, todos eram felizes, em uma completa ausência de conflitos internos.
Tem este sido o sonho de inúmeros pensadores e líderes ao longo da História: construir o paraíso aqui e agora, banir o mal da sociedade humana e edificar um mundo o mais perfeito possível, onde ele possa viver para sempre desfrutando de completa felicidade.
Não há nada demais neste sonho. Este também é o desejo de Deus para raça humana, este sempre foi o seu propósito. Banir o mal e estabelecer justiça eterna é um conceito inteiramente bíblico, presente em quase todos os profetas. “para cessar a transgressão, e para dar fim aos pecados, e para expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia..” . (Dn 9.24).
Realmente, é quase impossível não indignar-se diante do mal do mundo e desejar removê-lo para sempre. Fome, doença, morte, injustiça social, miséria, desigualdade – estes são apenas alguns dos inúmeros pontos que tem incomodado aos homens e os tem levado a imaginar os meios para minorá-los ou exterminá-los.
A questão aqui envolvida não é se o nosso universo precisa de uma transformação ou não, mas sim em como essa transformação será feita pelo próprio homem e se este tem poder para realizá-la ou ainda, até que ponto pode fazê-la.  Não poucos no curso da História, empunharam a bandeira do poder humano para transformar o mundo. Platão, por exemplo, teve chance de tornar realidade as teorias de sua “República”, mas falhou completamente e foi vendido como escravo. “Os filósofos anteriores a mim tentaram explicar o mundo. Eu quero é transformá-lo”, dizia Marx. Mais de um século se passou e o saldo prático da aplicação de sua doutrina também foi negativo. Sem dúvida que boas idéias e intenções melhoraram o mundo. Mas nada que o homem tenha feito ou fará, a de mudá-lo em sua essência.    
Precisamos de algo maior e mais forte, que venha do alto e de Deus. Algo que até agora o homem não tenha concebido, nem mesmo em seus melhores sonhos, pois será algo novo realmente. “Aquilo que o olho não viu e o ouvido não ouviu e não subiu ao coração do homem, é o que Deus tem preparado para aquele que o ama” (1 Co 2.9).                   
Fonte- CACP.

quinta-feira, 21 de maio de 2015

A NATUREZA DA TRIBULAÇÃO

                                                                 A 1ª metade (3 1/2 anos) da 70ª semana de Daniel: 

·    Começará com a assinatura de um pacto do Anticristo  [representando, em nome de todas as nações filhas do antigo Império Romano] com Israel, com duração prevista de 7 anos [iniciais], prometendo-lhe paz e permitindo-lhe sacrifícios e ofertas [no Templo de Jerusalém, que será reconstruído] Dan 9:27a; Israel e todas as nações sob o Anticristo de bom grado ceder-lhe-ão todas as suas armas e defesas; 
    “E ele firmará aliança com muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oblação; e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador.” (Dn 9:27)

·    Haverá falsos cristos e falsos profetas; grandes e enganosos: milagres, sinais e prodígios Mat 24:24; Apoc 13:13-15; 
    “Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão tão grandes sinais e prodígios que, se possível fora, enganariam até os escolhidos.” (Mt 24:24[atenção Mt 24 e 25 dão os sinais para a vinda de Cristo como Rei, até à terra, ao final da semana, não para sua vinda como nosso Noivo, até os ares, antes do início da semana]
    “13 E faz grandes sinais, de maneira que até fogo faz descer do céu à terra, à vista dos homens. 14 E engana os que habitam na terra com sinais que lhe foi permitido que fizesse em presença da besta, dizendo aos que habitam na terra que fizessem uma imagem à besta que recebera a ferida da espada e vivia. 15 E foi-lhe concedido que desse espírito à imagem da besta, para que também a imagem da besta falasse, e fizesse que fossem mortos todos os que não adorassem a imagem da besta.” (Ap 13:13-15)
·    Israel aceitará o falso messias João 5:43    “Eu vim em nome de meu Pai, e não me aceitais; se outro vier em seu próprio nome, a esse aceitareis.” (Jo 5:43)

·    Haverá um grande governo e ditador mundial Dan 7:23; Apoc 13:1-2,4; 
    “Disse assim: O quarto animal será o quarto reino na terra, o qual será diferente de todos os reinos; e devorará toda a terra, e a pisará aos pés, e a fará em pedaços.” (Dn 7:23)
    “1 ¶ E eu pus-me sobre a areia do mar, e vi subir do mar uma besta que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre os seus chifres dez diademas, e sobre as suas cabeças um nome de blasfêmia. 2 E a besta que vi era semelhante ao leopardo, e os seus pés como os de urso, e a sua boca como a de leão; e o dragão deu-lhe o seu poder, e o seu trono, e grande poderio. ... E adoraram o dragão que deu à besta o seu poder; e adoraram a besta, dizendo: Quem é semelhante à besta? Quem poderá batalhar contra ela?” (Ap 13:1-2,4)

·    Haverá uma religião mundial, dominando o governo Apoc 17:1-6
    “1 ¶ E veio um dos sete anjos que tinham as sete taças, e falou comigo, dizendo-me: Vem, mostrar-te-ei a condenação da grande prostituta que está assentada sobre muitas águas; 2 Com a qual se prostituíram os reis da terra; e os que habitam na terra se embebedaram com o vinho da sua prostituição. 3 E levou-me em espírito a um deserto, e vi uma mulher assentada sobre uma besta de cor de escarlata, que estava cheia de nomes de blasfêmia, e tinha sete cabeças e dez chifres. 4 E a mulher estava vestida de púrpura e de escarlata, e adornada com ouro, e pedras preciosas e pérolas; e tinha na sua mão um cálice de ouro cheio das abominações e da imundícia da sua prostituição; 5 E na sua testa estava escrito o nome: Mistério, a grande Babilônia, a mãe das prostituições e abominações da terra. 6 E vi que a mulher estava embriagada do sangue dos santos, e do sangue das testemunhas de Jesus. E, vendo-a eu, maravilhei-me com grande admiração.” (Ap 17:1-6)
·    Haverá uma aparente e enganadora “paz perfeita” 1Ts 5:3, e promessa- expectativa de "prosperidade perfeita"; 
    “Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão.” (1Ts 5:3)
·    Todos os homens e mulheres que, na dispensação da Graça, ouviram o evangelho e o entenderam, mas recusaram Cristo, inescapavelmente crerão no Anticristo, após o Arrebatamento! 2Ts 2:9-12 (Se não és salvo, oh, aceita Cristo AGORA, amigo!                  ( 2Pe 3:1-9).
    “9 A esse cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás, com todo o poder, e sinais e prodígios de mentira, 10 E com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem. 11 E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira; 12 Para que sejam julgados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniquidade.” (2Ts 2:9-12)
    “... 3 ¶ Sabendo primeiro isto, que nos últimos dias virão escarnecedores, andando segundo as suas próprias concupiscências, 4 E dizendo: Onde está a promessa da sua vinda?porque desde que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação. 5 Eles voluntariamente ignoram isto, que pela palavra de Deus já desde a antiguidade existiram os céus, e a terra, que foi tirada da água e no meio da água subsiste. 6 Pelas quais coisas pereceu o mundo de então, coberto com as águas do dilúvio, 7 Mas os céus e a terra que agora existem pela mesma palavra se reservam como tesouro, e se guardam para o fogo, até o dia do juízo, e da perdição dos homens ímpios. 8 ¶ Mas, amados, não ignoreis uma coisa, que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia. 9 ¶ O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânime para conosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se.” (2Pe 3:1-9)


 A 2ª metade (também chamada de A GRANDE Tribulação) (3 1/2 anos [menos o pouco de tempo  de Mat 24:22?] ) da 70ª semana de Daniel se caracterizará por: 


Começará
com o Diabo e todos os seus anjos sendo arremessados na terra, tendo grande ira Apoc 12:7-13, e o Anticristo rompendo o pacto com Israel Dan 9:27b;   7 E houve batalha no céu; Miguel e os seus anjos batalhavam contra o dragão, e batalhavam o dragão e os seus anjos; 8 Mas não prevaleceram, nem mais o seu lugar se achou nos céus. 9 E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele. 10 E ouvi uma grande voz no céu, que dizia: Agora é chegada a salvação, e a força, e o reino do nosso Deus, e o poder do seu Cristo; porque já o acusador de nossos irmãos é derrubado, o qual diante do nosso Deus os acusava de dia e de noite. 11 E eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho; e não amaram as suas vidas até à morte. 12 ¶ Por isso alegrai-vos, ó céus, e vós que neles habitais. Ai dos que habitam na terra e no mar; porque o diabo desceu a vós, e tem grande ira, sabendo que já tem pouco tempo. 13 E, quando o dragão viu que fora lançado na terra, perseguiu a mulher que dera à luz o filho homem.” (Ap 12:7-13)
     “E ele firmará aliança com muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oblação; e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador.” (Dn 9:27)


- Politicamente,
ter-se-á o sistema do império romano levado à sua forma mais extrema, autocrática, cruel e blasfema. O Anticristo será o tirânico ditador mundial Dan2:40-43; 7:7-8,19-26; 8:23-25; Apoc 13:1-10     “40 E o quarto reino será forte como ferro; pois, como o ferro, esmiúça e quebra tudo; como o ferro que quebra todas as coisas, assim ele esmiuçará e fará em pedaços. ...” (Dn 2:40-43)
     “7 Depois disto eu continuei olhando nas visões da noite, e eis aqui o quarto animal, terrível e espantoso, e muito forte, o qual tinha dentes grandes de ferro; ele devorava e fazia em pedaços, e pisava aos pés o que sobejava; era diferente de todos os animais que apareceram antes dele, e tinha dez chifres. ...” (Dn 7:7-8)
     “19 Então tive desejo de conhecer a verdade a respeito do quarto animal, que era diferente de todos os outros, muito terrível, cujos dentes eram de ferro e as suas unhas de bronze; que devorava, fazia em pedaços e pisava aos pés o que sobrava; ... 23 Disse assim: O quarto animal será o quarto reino na terra, o qual será diferente de todos os reinos; e devorará toda a terra, e a pisará aos pés, e a fará em pedaços. 24 E, quanto aos dez chifres, daquele mesmo reino se levantarão dez reis; e depois deles se levantará outro, o qual será diferente dos primeiros, e abaterá a três reis. 25 E proferirá palavras contra o Altíssimo, e destruirá os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos e a lei; e eles serão entregues na sua mão, por um tempo, e tempos, e a metade de um tempo. 26 Mas o juízo será estabelecido, e eles tirarão o seu domínio, para o destruir e para o desfazer até ao fim.” (Dn 7:19-26)
     “23 Mas, no fim do seu reinado, quando acabarem os prevaricadores, se levantará um rei, feroz de semblante, e será entendido em adivinhações. 24 E se fortalecerá o seu poder, mas não pela sua própria força; e destruirá maravilhosamente, e prosperará, e fará o que lhe aprouver; e destruirá os poderosos e o povo santo. 25 E pelo seu entendimento também fará prosperar o engano na sua mão; e no seu coração se engrandecerá, e destruirá a muitos que vivem em segurança; e se levantará contra o Príncipe dos príncipes, mas sem mão será quebrado.” (Dn 8:23-25)
     “.... 2 E a besta que vi era semelhante ao leopardo, e os seus pés como os de urso, e a sua boca como a de leão; e o dragão deu-lhe o seu poder, e o seu trono, e grande poderio. 3 E vi uma das suas cabeças como ferida de morte, e a sua chaga mortal foi curada; e toda a terra se maravilhou após a besta. 4 E adoraram o dragão que deu à besta o seu poder; e adoraram a besta, dizendo: Quem é semelhante à besta? Quem poderá batalhar contra ela? 5 E foi-lhe dada uma boca, para proferir grandes coisas e blasfêmias; e deu-se-lhe poder para agir por quarenta e dois meses. 6 E abriu a sua boca em blasfêmias contra Deus, para blasfemar do seu nome, e do seu tabernáculo, e dos que habitam no céu. 7 E foi-lhe permitido fazer guerra aos santos, e vencê-los; e deu-se-lhe poder sobre toda a tribo, e língua, e nação. 8 E adoraram-na todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes não estão escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo. ...” (Ap 13:1-10)


- Religiosamente: 
   - os 10 reis (sob o Anticristo) destruirão a prostituta (a igreja ecumênica e mundial) Apoc 17:16-17;
     “16 E os dez chifres que viste na besta são os que odiarão a prostituta, e a colocarão desolada e nua, e comerão a sua carne, e a queimarão no fogo. ...” (Ap 17:16-17)

   - o Anticristo exigirá adoração de todos Apoc 13:4,6-8;

     “E adoraram o dragão que deu à besta o seu poder; e adoraram a besta, dizendo: Quem é semelhante à besta? Quem poderá batalhar contra ela? ... 6 E abriu a sua boca em blasfêmias contra Deus, para blasfemar do seu nome, e do seu tabernáculo, e dos que habitam no céu. 7 E foi-lhe permitido fazer guerra aos santos, e vencê-los; e deu-se-lhe poder sobre toda a tribo, e língua, e nação. 8 E adoraram-na todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes não estão escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo.” (Ap 13:4, 6-8)

   - o Falso Profeta operará grandes sinais e forçará todos a adorarem o Anticristo e à imagem deste Apoc 13:13-15.

     “13 E faz grandes sinais, de maneira que até fogo faz descer do céu à terra, à vista dos homens. 14 E engana os que habitam na terra com sinais que lhe foi permitido que fizesse em presença da besta, dizendo aos que habitam na terra que fizessem uma imagem à besta que recebera a ferida da espada e vivia. 15 E foi-lhe concedido que desse espírito à imagem da besta, para que também a imagem da besta falasse, e fizesse que fossem mortos todos os que não adorassem a imagem da besta.” (Ap 13:13-15)

   - dentre somente os que não tinham ouvido & entendido o evangelho durante a Dispensação da Graça 2Ts 2:9-12, multidões serão salvas Apoc 7:9,14, mas estarão sendo condenadas à decapitação (como os judeus dos campos de concentração de Hitler foram condenados à câmara de gás, não todos num só dia, por questões logísticas, mas alguns milhares a cada dia).
     “9 A esse cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás, com todo o poder, e sinais e prodígios de mentira, 10 E com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem. 11 E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira; 12 Para que sejam julgados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniqüidade.” (2Ts 2:9-12)
     “Depois destas coisas olhei, e eis aqui uma multidão, a qual ninguém podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, que estavam diante do trono, e perante o Cordeiro, trajando vestes brancas e com palmas nas suas mãos; ... E eu disse-lhe: Senhor, tu sabes. E ele disse-me: Estes são os que vieram da grande tribulação, e lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro.” (Ap 7:9,14)


Quanto a Israel:
   - Gogue, Magogue e os reis da terra determinam-se destruir Israel Eze 38, 39, mas são destruídos (mas há que pense que isto pode, talvez, ocorrer antes do arrebatamento e do início da 70a. semana de Daniel...);
   - as 2 testemunhas de Deus pregam, imortais, com poder semelhante aos de Elias e Moisés Apoc 11:3,5-6;
 3 E darei poder às minhas duas testemunhas, e profetizarão por mil duzentos e sessenta dias, vestidas de saco. ... 5 E, se alguém lhes quiser fazer mal, fogo sairá da sua boca, e devorará os seus inimigos; e, se alguém lhes quiser fazer mal, importa que assim seja morto. 6 Estes têm poder para fechar o céu, para que não chova, nos dias da sua profecia; e têm poder sobre as águas para convertê-las em sangue, e para ferir a terra com toda a sorte de pragas, todas quantas vezes quiserem.” (Ap 11:3,5-6)   - 144.000 varões Israelitas, virgens, convertem-se e, Deus os impedindo de ser mortos, pregam o evangelho do REINO por todo o mundo Apoc 7:4; 14:3-5.     “E ouvi o número dos assinalados, e eram cento e quarenta e quatro mil assinalados, de todas as tribos dos filhos de Israel.” (Ap 7:4)
     “3 E cantavam um como cântico novo diante do trono, e diante dos quatro animais e dos anciãos; e ninguém podia aprender aquele cântico, senão os cento e quarenta e quatro mil que foram comprados da terra. 4 Estes são os que não estão contaminados com mulheres; porque são virgens. Estes são os que seguem o Cordeiro para onde quer que vá ...” (Ap 14:3-5)


   - o Diabo com seus exércitos é arremessado na terra e faz tudo para destruir Israel completamente Apoc 12:3-4,9.
     “3 E viu-se outro sinal no céu; e eis que era um grande dragão vermelho, que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre as suas cabeças sete diademas. 4 E a sua cauda levou após si a terça parte das estrelas do céu, e lançou-as sobre a terra; e o dragão parou diante da mulher que havia de dar à luz, para que, dando ela à luz, lhe tragasse o filho. ... 9 E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele.” (Ap 12:3-4,9)

   - o Falso Profeta ergue uma imagem do Anticristo no Templo Dan 12:11; Mat 24:15; Apoc 13:14-15.     “E desde o tempo em que o sacrifício contínuo for tirado, e posta a abominação desoladora, haverá mil duzentos e noventa dias.” (Dn 12:11)
     “Quando, pois, virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, está no lugar santo; quem lê, atenda;” (Mt 24:15)
     “14 E engana os que habitam na terra com sinais que lhe foi permitido que fizesse em presença da besta, dizendo aos que habitam na terra que fizessem uma imagem à besta que recebera a ferida da espada e vivia. 15 E foi-lhe concedido que desse espírito à imagem da besta, para que também a imagem da besta falasse, e fizesse que fossem mortos todos os que não adorassem a imagem da besta.” (Ap 13:14-15)

   - Israel passa por tremenda perseguição e tribulação; ao final, é salva e convertida.


Economicamente:
    - ter-se-á o caos e o último estágio da exploração humana Tia 5:1-6.
    “1 ¶ Eia, pois, agora vós, ricos, chorai e pranteai, por vossas misérias, que sobre vós hão de vir. 2 As vossas riquezas estão apodrecidas, e as vossas vestes estão comidas de traça. 3 O vosso ouro e a vossa prata se enferrujaram; e a sua ferrugem dará testemunho contra vós, e comerá como fogo a vossa carne. Entesourastes para os últimos dias. 4 Eis que o jornal dos trabalhadores que ceifaram as vossas terras, e que por vós foi diminuído, clama; e os clamores dos que ceifaram entraram nos ouvidos do Senhor dos exércitos. 5 Deliciosamente vivestes sobre a terra, e vos deleitastes; cevastes os vossos corações, como num dia de matança. 6 Condenastes e matastes o justo; ele não vos resistiu.” (Tg 5:1-6)

   - quem não adorar o Anticristo e sua imagem, colocando sua marca na testa ou destra, não poderá nem comprar nem vender, e será condenado à decapitação Apoc 13:16-17.
    “16 E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, 17 Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome.” (Ap 13:16-17)

   - um grande empório comercial será rapidamente erigido (Babilônia literal [no Iraque]? Ou seu sistema?), mas será destruído em 1 hora, com os céus regozijando Apoc 18:10,15.
     “10 Estando de longe pelo temor do seu tormento, dizendo: Ai! ai daquela grande Babilônia, aquela forte cidade! pois numa hora veio o seu juízo ... 15Os mercadores destas coisas, que com elas se enriqueceram, estarão de longe, pelo temor do seu tormento, chorando e lamentando,” (Ap 18:10,15)


Ao final:
   - Jerusalém é cercada, tomada, saqueada, as mulheres forçadas, metade da cidade sairá para o cativeiro (Joel 3:12; Zac 14:2) e a mais completa destruição da cidade parece inevitável.
    “Suscitem-se os gentios, e subam ao vale de Jeosafá; pois ali me assentarei para julgar todos os gentios em redor.” (Joel 3:12)
     “Porque eu ajuntarei todas as nações para a peleja contra Jerusalém; e a cidade será tomada, e as casas serão saqueadas, e as mulheres forçadas; e metade da cidade sairá para o cativeiro, mas o restante do povo não será extirpado da cidade.” (Zc 14:2)

   - Cristo volta, destrói Seus inimigos na batalha de Armagedom (no vale e elevação de Megido), e salva Israel Apoc 14:15-20; 16:14,16; 19:9.
     “15 E outro anjo saiu do templo, clamando com grande voz ao que estava assentado sobre a nuvem: Lança a tua foice, e sega; a hora de segar te é vinda, porque já a seara da terra está madura. ... 18 E saiu do altar outro anjo, que tinha poder sobre o fogo, e clamou com grande voz ao que tinha a foice aguda, dizendo: Lança a tua foice aguda, e vindima os cachos da vinha da terra, porque já as suas uvas estão maduras. 19 E o anjo lançou a sua foice à terra e vindimou as uvas da vinha da terra, e atirou-as no grande lagar da ira de Deus. 20 E o lagar foi pisado fora da cidade, e saiu sangue do lagar até aos freios dos cavalos, pelo espaço de mil e seiscentos estádios.” (Ap 14:15-20)
     “14 Porque são espíritos de demônios, que fazem prodígios; os quais vão ao encontro dos reis da terra e de todo o mundo, para os congregar para a batalha, naquele grande dia do Deus Todo-Poderoso.” ... 16 E os congregaram no lugar que em hebreu se chama Armagedom.” (Ap 16:14,16)
     “E disse-me: Escreve: Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. E disse-me: Estas são as verdadeiras palavras de Deus.” (Ap 19:9)

   - isto é: A natureza desmaia, tremendo terremoto move todas as ilhas e montanhas, cai granizo de pedras de 45 kg misturado com fogo e sangue. É lançada a foice e espremido o lagar da ira de Deus. Os exércitos do Diabo e do Anticristo são mortos e seu sangue cobre 288 km (Apoc 14:20, acima) até a altura de uns 1,50m (isto seria o sangue de pelo menos 300 milhões de soldados?!!!).
   - Israel se converte e lamenta como se fosse uma só pessoa Zac 12:10-13:2; Rom 11:25-26.
     “10 Mas sobre a casa de Davi, e sobre os habitantes de Jerusalém, derramarei o Espírito de graça e de súplicas; e olharão para mim, a quem traspassaram; e pranteá-lo-ão sobre ele, como quem pranteia pelo filho unigênito; e chorarão amargamente por ele, como se chora amargamente pelo primogênito. 11 Naquele dia será grande o pranto em Jerusalém, como o pranto de Hadade-Rimom no vale de Megido. 12 E a terra pranteará, cada família à parte: a família da casa de Davi à parte, e suas mulheres à parte; e a família da casa de Natã à parte, e suas mulheres à parte; 13 A família da casa de Levi à parte, e suas mulheres à parte; a família de Simei à parte, e suas mulheres à parte. 14 Todas as mais famílias remanescentes, cada família à parte, e suas mulheres à parte. 13:1 ¶ Naquele dia haverá uma fonte aberta para a casa de Davi, e para os habitantes de Jerusalém, para purificação do pecado e da imundícia. 2 E acontecerá naquele dia, diz o SENHOR dos Exércitos, que tirarei da terra os nomes dos ídolos, e deles não haverá mais memória; e também farei sair da terra os profetas e o espírito da impureza.” (Zc 12:10-13:2)
     “25 Porque não quero, irmãos, que ignoreis este segredo (para que não presumais de vós mesmos): que o endurecimento veio em parte sobre Israel, até que a plenitude dos gentios haja entrado. 26 E assim todo o Israel será salvo, como está escrito: De Sião virá o Libertador, E desviará de Jacó as impiedades.” (Rm 11:25-26)


Todas as citações bíblicas são da ACF (Almeida Corrigida Fiel, da SBTB). As ACF e ARC (ARC idealmente até 1894, no máximo até a edição IBB-1948, não a SBB-1995) são as únicas Bíblias impressas que sugerimos aos Cristãos, pois são boas herdeiras da Bíblia da Reforma (Almeida 1681/1753), fielmente traduzida somente da Palavra de Deus infalivelmente preservada (e finalmente impressa, na Reforma, como o Textus Receptus).